Translate

sábado, setembro 24, 2022

Essa deve ter sido a semana mais improdutiva do ano para mim. Não no trabalho, mas pessoalmente, porque como trabalho de madrugada, (teoricamente) durmo durante o dia.

Só que o prédio todo parece ter entrado em reforma, seja com a reforma oficial do hall de entrada do prédio, seja com vizinhos batendo nas paredes de modo que devo ter dormido umas 3 ou 4 horas por dia, mesmo tentando dormir imediatamente após o trabalho, deixando de aproveitar 3 horas que tenho por dia para resolver meus assuntos pessoais.

Tudo bem... Hoje, na minha "folga", após voltar da visita à minha mãe, "montei" o estúdio* e gravei uma das músicas que normalmente eu não poderia nem sonhar em gravar de madrugada.
(Ah, o doce sabor da vingança... Ainda que mais simbólica do que qualquer outra coisa, já que a última coisa que quero é perturbar meus vizinhos.)

Pelo menos nas tardes de quinta e sexta, apesar do pouco tempo de sono, ele foi bem pesado e conseguí até ter uns sonhos muito doidos, coisa que há muito tempo eu não tinha.
Agora quero só ver como vou fazer para recuperar esse tempo perdido.

Uma dessas coisas que (pra variar) atrasou, foi o texto deste blog, que eu esperava pelo menos aqui no "editorial", expôr a minha preocupação com a eleição que se aproxima, totalmente controlada por Instituições claramente aparelhadas.

Porém, apesar dos pesares, mesmo que não confiemos no "sistema", é melhor fazermos a nossa parte e assim, dar uma chance aos potenciais fiscalizadores para que pelo menos uma parte do que esperamos como cidadãos, se cumpra.

Em certos países vizinhos, cujos Povos resolveram se omitir do direito de opinar, de fiscalizar, de votar conscientemente e principalmente, de exercer seu Poder de Autodeterminação, os resultados estão aí: catastróficos.

Felizmente, o Brasil parece ter acordado e a imensa maioria da população já percebeu quem são os bandidos e quem são os mocinhos.

Resta saber se os bandidos vão ter coragem de arriscar a sorte e se o Povo vai aceitar uma tentativa de golpe de Estado sem nenhuma reação** de modo que um golpe se consolide, ou se haverá um contragolpe, como já houve no passado (mais de uma vez).

Seja como fôr, nesses últimos dias antes dessas eleições, prefiro não pensar nisso e voltar minha mente para as estrelas, já que por aqui na Terra, a coisa só piora dia após dia, à ponto de que eu questionar até os motivos da minha existência por aqui neste mundo em que a insanidade toma conta de tudo.
Talvez fosse melhor se eu fosse abduzido.



Primeiro Contato
"Se não existe vida fora da Terra, então o universo é um grande desperdício de espaço."
(Carl Sagan)



Entre cursos, reconhecimentos, muito trabalho de madrugada, muita luta para resolver meus problemas pessoais no pouco tempo que me sobra para isso diariamente, um cara como eu, um tanto excêntrico, com hobbies exóticos e nenhum tempo para vida social (exceto talvez com os raros e distantes amigos que conseguem conversar comigo num mesmo "nível"), não tenho como não me sentir solitário o tempo todo.
Passei praticamente a minha existência toda me sentindo assim então estou de certa forma, bastante acostumado.

Mas se pararmos para analisar, a Humanidade toda sente uma certa solidão, por se ver como a única espécie supostamente pensante que conhece, o que motivou várias religiões a pregarem a idéia de que somos a única espécie criada pelos deuses para dominar este mundo, como se não existissem outros.

OK... Até poderia fazer sentido numa época em que se desconhecia a existência de outros planetas ou mesmo de outros sistemas planetários.
Na boa, o Universo conhecido é grande. Imensamente grande. Inimaginavelmente grande.
Mas como (supostamente) não temos nenhuma evidência (reconhecida globalmente) da existência de outros seres capazes de se expressarem através de uma linguagem articulada (como certos cetáceos fazem), desenvolver instrumentos (como certas espécies de macacos fazem) e escrever para registrar conhecimento para outros seres da mesma espécie (mas que estranhamente não lêm), continuamos com aquela clássica dúvida se estamos sozinhos no Universo (sem falar na crise existencial... "Pra que raios eu estou aqui?")

Sempre que alguém fala em procurar vida inteligente em outros planetas, a primeira coisa que me vem à mente é a dificuldade (que só aumenta de forma exponencial dia após dia) de se encontrar formas de vida inteligente aqui mesmo na Terra.
Já a segunda coisa que me passa pela mente, é como seria esse nosso "primeiro contato" com alguma civilização "de fora", que com certeza, é inimaginavelmente diferente das que temos aqui no nosso planetinha azul.

Digo "das" porque não temos apenas uma civilização na Terra, se considerarmos que cada país tem sua cultura, sua História, seus costumes, seu(s) idioma(s) e consequentemente, sua própria forma de pensar. Assim, o povo de um outro planeta, provavelmente também teria esse tipo de diversidade, de modo que fica bem difícil "generalizar" que ETs "assim ou assado" são "bons ou ruins", da mesma forma que humanos podem te-los adorados como deuses na antiguidade (no melhor estilo "Alienígenas do Passado") ou atirado neles para expulsa-los de suas propriedades (vide o famoso caso Kelly-Hopkinsville).
(Aliás... Atirar em extraterrestres pode passar uma imagem bastante hostil da nossa parte, não?)

Notem que nem estou questionando a possibilidade matemática (vide Equação de Drake) de existirem formas de vida inteligente além das "duas ou três centenas" de humanos aqui da Terra.
Se considerarmos só o tamanho da nossa galáxia, a Via Láctea, por exemplo, que tem entre 100 bilhões e 400 bilhões de estrelas como o nosso Sol (cada um deles com o mesmo potencial de ter um sistema planetário como o nosso Sistema Solar orbitando-o) e que para atravessa-la de um lado a outro leva cerca de 100 mil anos à velocidade da luz, haver apenas uma forma de vida inteligente nesse espaço todo seria, mesmo para a Mãe-Natureza, um imenso disperdício.
Só que não estamos falando apenas da Via Láctea. Estamos falando de bilhões de outras galáxias e apenas deste universo, admitindo que podemos ainda ter universos paralelos ou mesmo dimensões paralelas.

Eu sei que é impossível a um ser humano, sequer imaginar os tamanhos desse tipo de coisa, especialmente porque o "mundo" da imensa maioria, se limita a pequenas coisas rotineiras como trabalho, casa, balada ou o churrasco do final de semana, sem a menor preocupação se a Terra será tomada da noite para o dia por alguma civilização desconhecida que nas pobres mentes limitadas, essas coisas não passam de mera ficção (ou comédia).
Não os culpo por isso, mas penso que a humanidade deveria amadurecer e começar a pensar grande ao invés de agir como um bando de animais lutando uns contra os outros por recursos ou meras bobagens enquanto uns outros, pelo domínio dos outros.

Mas pensando por outro lado, quem garante que uma população alienígena também não esteja dividida em múltiplas civilizações como as nossas, cada uma com uma cultura, uma História, costumes, idiomas e sua própria forma de pensar? Ou que suas mentes individuais de repente possam ser limitadas a coisas rotineiras como trabalho, casa, desenho em plantações de trigo ou abdução de vacas (talvez para churrasco de final de semana)?

Pela quantidade de gente séria que já viu objetos voadores que não se conseguiu identificar, ou seres estranhos aparentemente dominantes de tecnologias completamente desconhecidas para nós, fica até difícil imaginar um evento grande o suficiente para que possamos finalmente dizer em escala global que não estamos sozinhos como forma de vida pensante (?) deste lado deste universo.

Vamos supôr que nossos cientistas conseguiram por exemplo, observar luzes artificiais em algum planeta. Se ele estiver tipo... a uns 10 mil anos-luz daqui, não significaria que elas ainda estão lá e sim que essas luzes se apresentavam assim a 10 mil anos luz atrás, que é o tempo para que essa luz viajasse de lá até nossos instrumentos aqui para serem observadas. Logo, não poderíamos chamar isso de "contato".
O mesmo vale para transmissões de radio.

Com as tecnologias que temos hoje, um primeiro "contato" certamente teria de partir deles e para eles virem até aqui, quais seriam seus interesses?
É aqui que a coisa começa a ficar preocupante, uma vez que ninguém gasta recursos numa viagem sem um motivo que compense esse gasto.
Ainda mais numa viagem intergaláctica ou transdimensional.
Só para fazer desenho em plantação de trigo?
Ha... Tá bom que caio nessa.
Sem falar que certamente teríamos seríssimos problemas culturais ou de comunicação. (Embora através de uma comédia, isso ficou bem claro em "Marte Ataca".)

Uma espécie tecnologicamente mais avançada que a nossa não mandaria ninguém para cá apenas para tomar um café com alguns de nossos cientistas para discutir sobre buracos de minhoca artificiais ou como construir Esferas Dyson sem gastar todos os recursos de seu planeta natal. Na verdade, penso que teríamos de demonstrar o domínio de alguma tecnologia muito especial para podermos chamar a atenção deles. E dependendo da tecnologia, essa atenção pode ser positiva ou negativa.
E na boa? Nós, que não somos sequer uma "espécie tipo 1" (segundo a Escala de Kardachev), até agora, só mostramos tecnologias bem nocivas como bombas nucleares ou nossos "maravilhosos" programas de televisão.

Em "Star Trek - Primeiro Contato", a tecnologia que chamaria a atenção da "Federação de Planetas Unidos" é a capacidade de viagem em velocidade de dobra. Coisa que ainda não dominamos.
Por outro lado, também em "Star Trek", existe nessa "Federação de Planetas Unidos", a tal da "Primeira Diretriz", através da qual, os membros da mesma, ou da "Frota Estelar", não devem interferir de modo algum no desenvolvimento natural da cultura de nenhuma civilização tecnologicamente inferior ou inconsciente da existência da Federação.
Talvez até haja mesmo algo para os extraterrestres como uma "Federação de Planetas Unidos" ou até mesmo uma "Primeira Diretriz". Por quê não?

De repente os extraterrestres até estejam por aqui há muito tempo, fazendo pesquisas, estudos, ou mesmo exploração secreta de recursos que para eles talvez sejam escassos. Quem sabe?
Afinal de contas eles nem falam com a gente e não os culpo por isso. Agregaríamos o quê à cultura e tecnologia deles? "Pagode"? "Funk"? "Sertanejo Universitário"?
Ha!
Ou começamos a pensar de verdade, desenvolver raciocínio crítico e lógico, ou jamais deixaremos de ser como "ratos de laboratório" para eles... Quem quer que sejam.


* Sim, eu tenho um pequeno estúdio particular que uso para estudos de Técnica Vocal e experimentos de Produção Musical.

** Rezar não pode ser considerada reação. Neste caso, seria apenas uma justificativa covarde para não fazer nada.





terça-feira, agosto 30, 2022

Nunca fiz tantos cursos e treinamentos em tão pouco tempo como fiz nesses últimos 8 meses do novo emprego. Eu estava vendo um relatório das conclusões de cursos e treinamentos, já feitos este ano e por enquanto já foram 198 ao todo, totalizando 61 horas de curso (a empresa pede pelo menos 40 por ano) e 3 "badges" (credenciais válidas como certificados de curso reconhecidos pelas corporações).

Nesse ritmo, devo passar fácil a meta "Super Learner" de 80 horas em um ano. Porém, poucas credenciais são realmente interessantes publicamente, sendo a maioria, ou confidenciais, ou de uso interno, ou aquelas "conversas pra boi dormir" padrão "Teoria Crítica", que na prática mesmo, nem de longe é tão "asséptica" ou previsível.

Ainda assim, todo material é sempre válido de alguma forma e procuro absorver tudo o que posso que sinto que possa ser útil e construtivo.

Mas só uma ou outra certificação eu tenho incluso no meu perfil do LinkedIn, cujo Credly automaticamente postou 3 delas como "atividades" por lá.

Eu, agradeço os comentários e likes e tals, mas removí a publicação dessas atividades porque adotei uma política particular de não fazer alarde em redes sociais, sobre minha vida pessoal. Tanto que apaguei definitivamente minha conta de todas menos a do LinkedIn, porque este (por mais que o deteste), ainda posso usar como ferramenta de comunicação com colegas e ex-colegas de trabalho, em especial os que não usam Telegram e como "vitrine" do meu perfil profissional em relação a clientes e outras corporações.

Os fofoqueiros e stalkers que queiram saber da minha vida pessoal, que leiam os editoriais deste blog e que continuem presumindo ou inventando... se isso faz essa gente feliz.

Só os amigos próximos de verdade é que sabem alguma coisa da minha vida pessoal. Testemunhas oculares dos meus sucessos e do alto preço que pago por eles, assim como dos meus fracassos, causados por ilusões, por terceiros, ou por imprevistos, ou por tudo isso ao mesmo tempo.

Ninguém é perfeito, eu não me deixo iludir mais com as aparências de nada e acreditem... isso é muito monótono.


Quem Ajuda Bandido é Cúmplice


"A sociedade que coloca igualdade à frente da liberdade, irá terminar sem igualdade e sem liberdade."

(Milton Friedman)


Este blog, é apenas uma exposição da opinião de um cidadão.
Não a de um artista, "intelectual", "especialista", ou qualquer palpiteiro de plantão.
Aliás... Nada que é de graça oferece alguma garantia. Assim sendo, toda e qualquer opinião é assim mesmo: Sem garantia nenhuma.
Interpretem como quiserem.
Não sou responsável pelas opiniões de quem quer que seja, nem se vocês acreditam nessas opiniões ou não.

A vida de blogueiros e vlogueiros seria muito mais fácil se não tivéssemos de fazer as vezes dos professores e jornalistas que ao invés de ensinar e informar, se tornaram meros militantes ideológicos, inimigos absolutos do censo crítico ou da opinião individual justificando essa censura de pensamento através de ações "politicamente corretas".

E o pior, é que quem não se enquadra nesse "formato", é perseguido, cassado, preso... enquanto os que têm algum Poder para impedir esse tipo de tirania, não faz absolutamente nada além de ficar emitindo "notinhas de repúdio" como se elas resolvessem alguma coisa, assim como se rezar contra essas coisas fossem algum ato prático que servisse de alguma coisa além de justificar uma triste somatória de fraqueza, medo e sentimento de impotência ao invés de "marcar território" dissuadindo esse tipo de ação.

Convenhamos... em nenhum lugar na História da humanidade, se soube de alguma divindade, sejá lá de qual cultura que fosse, que incentivasse a covardia, ou a preguiça, de modo que esse tipo de omissão (assim como os outros), no final das contas se torna uma forma de cumplicidade.

Agora, em que a "corrida eleitoral" começou, isso tudo vem muito à tona, entre "pesquisas" que nunca correspondem à realidade, um sistema eleitoral que já cansei de mencionar e postar links aqui neste blog por mais de uma década, eleição após eleição, cujo funcionamento já não confio desde 1989, que até hoje ninguém conseguiu provar que é seguro, confiável, transparente, auditável e HONESTO, apesar daquela narrativa de sempre de que "ninguém conseguiu provar que não houve fraude"... porque na prática, quem se atreve a fazer isso, é misteriosamente "abafado" pelas mídias mainstream, "somem", ou são perseguidos(as), presos(as), etc.

É mais ou menos como certa vez Carl Sagan disse..."A ausência da evidência não significa evidência da ausência."

Sinismo e hipocrisia das narrativas de quem nem esconde mais suas intenções.

Aliás... O quê houve com aquele "hacker" que afirmou ter passado 7 meses acessando os arquivos do TSE em 2018?
Continua preso?
Se o TSE nega a invasão, ele continua preso?
E os logs dos servidores do TSE que foram (convenientemente) apagados?
Por quê não vemos mais jornalista nenhum falando sobre esse assunto?

Enquanto isso, os que têm algum Poder para mitigar esse tipo de coisa, não fazem absolutamente nada (ao menos publicamente) além de se pronunciar ou ficar emitindo "notinhas de repúdio" como se elas resolvessem alguma coisa, assim como se rezar contra essas coisas fossem algum ato prático que servisse de alguma coisa além de exibir fraqueza diante de um inimigo que assim, passa a ver essa gente "religiosa" como "caça" ao invés de "caçadores".

É... É um ciclo vergonhoso, que não sai disso nunca e já não tenho mais paciência de ver vlogueiros no YouTube fazendo alardes sensacionalistas como se algo estivesse mudando nesse sentido, assim como não tenho mais paciência para as censuras descaradas das redes sociais sob a justificativa de a publicação ou o link "não estar de acordo com as regras da comunidade"... Regras essas que nunca são especificadas nessas horas nem por quê foram interpretadas assim. Ou seja... Você é obrigado a aceitar a censura calado(a).

Mas já estou até vendo... 7 de setembro, "a maior manifestação cívica que este país já teve", com as ruas cobertas por cidadãos em verde e amarelo, celebrando os 200 anos da Independência... Mais por influência do Presidente mais popular da história do país (o que é compreensível diante da atual inegável ascenção econômica da posição do Brasil em relação aos países do chamado "Primeiro Mundo") do que para exigir de fato o fim dessa tirania hipócrita por parte dos bandidos que infestam nossas Instituições, ou a limpeza das mesmas ou minimamente, honestidade por a imensa maioria da imprensa, da mídia mainstream, das escolas e das universidades, que ao invés de ensinarem, se tornaram fábricas de militantes idiológicos sem senso crítico nenhum.

Aliás, nenhum desses professores ou jornalistas fala que entre 1934 e 1964, professores e jornalistas não pagavam imposto de renda, né?
(vide Artigo 113, Parágrafo 36 da Constituição de 1934, Artigo 203 da constituição de 1946 e a Emenda Constitucional número 9 de 22 Julho de 1964, em que o Artigo 203 foi alterado para que Professores e Jornalistas passassem a pagar "impostos gerais".)
Foi daí (1964) que os professores e jornalistas passaram a deformar a imagem dos militares perante a opinião pública e seus alunos.

OK... Temos um Presidente extremamente popular que a chamada "velha imprensa" (que hoje é parte da mídia mainstream assim como os algoritmos de buscas do Google*), tenta à todo custo e inutilmente, alterar a percepção do Povo que vê milhares senão milhões o seguindo nas ruas desde 2018 enquanto o "chefe da quadrilha" só atrai os pelegos de sempre, que ou são os quadrilheiros que lucravam enquanto ele estava no Poder, ou era gente que tirava vantagem disso de alguma forma, ou é jovem "estudante" com o cérebro lavado pelas escolas e universidades supra-citadas, ou é aquele coitado sem instrução e completamente desinformado que acredita nas tais "pesquisas eleitorais". Não tem outra opção.

Mas embora o atual Presidente seja inegavelmente popular, por simplesmente ser o primeiro Presidente que temos que faz o que é pago para fazer (mesmo aplicando algumas medidas impopulares, em especial em relação a certas camadas do serviço público), não podemos esquecer que ele é um político. E políticos, por mais que sejam bem intencionados (coisa muito rara), têm suas limitações devido à imagem pública que são obrigados a manter (e que "a pelegada do contra" tenta denegrir com falácias e distorções de contexto o tempo todo).

Já o Povo não. O Povo não tem limite. O Povo é o próprio Poder, o Poder Democrático (Democracia, do Grego "demos" "kratos", "Poder do Povo"), o Instituinte Originário PERMANENTE, o dono do país e de suas armas, o Poder Supremo, muito acima de qualquer Instituição, de qualquer Lei ou mesmo de sua Constituição, uma vez que elas não são permanentes, assim como nenhuma Instituição.

Só que o Povo não faz a menor idéia disso e se limita a fazer essas "festas" pelas ruas e chorar dizendo "amém" sempre que os sequestradores de suas Instituições fazem algo contra o Povo, se mostrando fraco, covarde e submisso. E é justamente contando com esse comportamento vassalo, que seus inimigos continuam impunes, fazendo o que bem quiserem, do jeito que bem quiserem, quando bem quiserem, embora (ao menos aparentemente) haja um outro vetor, bem atento a esse tipo de movimentação, o que torna o resultado final, uma incógnita absoluta.

Até onde minha percepção consegue enxergar, nunca tivemos um ano eleitoral tão tenso, nem com diferenças tão claramente discrepantes entre os dois candidatos, motivos pelos quais se fala em "polarização" entre uma imensa maioria que sabe muito bem o que quer e uma minoria estupidamente influente desesperada em se manter no Poder ou reconquistar um poder perdido há tempos, por uma vez, em que suas "ações de bastidores" falharam em 2018, por se acharem donos da situação (como o foram desde 1994).

E é nesse clima que começamos mais uma "corrida eleitoral", que seria muito mais realista chamarmos de "teatro eleitoral", já que o que realmente importa, ocorre mesmo é nos bastidores, não no palco, enquanto o Povo continuar agindo apenas como platéia.


* Sério mesmo que ninguém notou que sempre que fazemos uma busca por alguma notícia sobre Política, as respostas do Google ou em seus sites como YouTube, o retorno é só de notícias de agências claramente identificados como de esquerda, como se não existisse outra interpretação?

domingo, julho 31, 2022

Está cada vez mais difícil encontrar tempo para escrever para este blog.
Toda vez que consigo encontrar algum tempo para me concentrar minimamente para escrever, tenho alguma interrupção.
Este texto creio que foi o recordista de interrupções, o que me deixa profundamente irritado, porque a qualidade do texto fica afetada com as múltiplas quebras de linhas de raciocínio, sem falar num monte de imprevistos que me ocorreram este mês, mas que felizmente não me causaram prejuízos graves.
Só agora, no último dia do mês, estou abrindo mão do pouco tempo que tenho para me dedicar aos meus hobbies, para postar este texto para vocês.



Nossa Querida Floresta Amazônica
"Eu cresci em uma floresta. É como um quarto. Está protegido. Como uma catedral, é um lugar entre o céu e a terra."
(Anselm Kiefer)



A Europa está em chamas.
E não estou falando da infeliz guerra na Ucrânia. Estou falando de incêndio florestal. Já que curiosamente, quando é lá, nem os políticos nem a imprensa mainstream chamam de "queimadas" ou "desmatamentos" né? E os incêndios de lá (ao menos para eles) também não fazem nenhuma diferença climática nas mentes desses e de outros hipócritas de plantão.
Para eles, só na Amazônia brasileira é que tem "queimada", "desmatamento" e tudo só na Amazônia, causa alteração climática global.

E mais estranho ainda é que o "alvo" é só a Amazônia brasileira, embora a região da Floresta Amazônica englobe 8 países além do Brasil (que tem 60% do território amazônico): Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname.

"Papo reto"...
O atual Presidente francês, foi pôsto no Poder graças ao Agronegócio francês, que não consegue competir com o Agronegócio brasileiro nem em quantidade, nem em qualidade, nem em preço dentro da própria casa (no caso, o território Europeu), de modo que numa hipotética guerra contra o Brasil, este deixaria de fornecer esses produtos e o Agronegócio francês passaria a vender seus produtos bastante caro aos europeus, justificando que a quantidade da produção deles é pequena para alimentar todo mundo (e é mesmo).
Aparentemente, um excelente negócio para eles... Até se ligarem das mortes de seus amigos, parentes, filhos na tal guerra hipotética, que rezemos ao Santo Bom Senso, para que jamais aconteça.

O mesmo vale para o atual Presidente estadunidense, posto no Poder graças aos donos das maiores indústrias de produtos de consumo do mundo (que produzem praticamente tudo na China) e que fala em arriscar uma invasão militar do território brasileiro por "questões ambientais" mas que aparentemente, não move um fio de cabelo para cuidar das próprias florestas enquanto repete as narrativas do "PT dos EUA", o partido "democrata" (que de democracia não tem nada).

A enxurrada de ONGs internacionais na Amazônia, hoje estão todas sob suspeita (quando já não devidamente "tratadas" pelas autoridades) de exploração ilegal dos recursos naturais da região bem como de exportação ilegal dos mesmos aos europeus e estadunidenses... Pois é... Os mesmos que acusam o Brasil dessas práticas ilegais.
E assim... novamente, a hipocrisia manda lembranças.

Aliás... É bastante curioso como tem tanta ONG para cuidar de religião ou de índio (que tem se mantido muito bem sem elas há milênios, muito antes da presença do homem "branco" nas Américas), mas raramente se ouve falar de alguma para cuidar do sofrido povo Nordestino.
Estranho como essas ONGs preferem ficar sobre um solo rico, fértil e úmido do que sobre um solo árido*.

Os tempos mudaram. Acabou a festa das ONGs de fachada, de modo que um monte delas estão encerrando suas atividades na Amazônia.
E quanto às narrativas ambientalistas, é muito fácil ficar repetindo palavras sobre o que não se conhece, ou tentar empurra-las por interesses próprios para "ver se cola".

Fatos:
Nenhum país no mundo tem leis ambientais mais severas quanto o Brasil;
Nenhum país no mundo tem mais áreas de florestas nativas preservadas do que o Brasil;
O Brasil hoje, é o primeiro país do mundo (até onde eu saiba) que tem um satélite dedicado à monitoração e defesa de áreas de florestas nativas reservadas. (Sem falar nos novos satélites lançados pela SpaceX para a mesma finalidade.)

Todos os países que inventam e espalham essas faĺácias ambientalistas sobre a Amazônia, já destruíram suas próprias florestas e/ou tornaram boa parte de suas terras inférteis por mau uso e agora estão interessadas mesmo é nas riquezas naturais da região**.
Ou seja, na prática, eles não estão nem aí para as causas ambientais que pregam.

E o maior problema nem é eles falarem um monte de falácias. É as pessoas acreditarem nelas, "comprarem o peixe" sem conhecer p! nenhuma do que se esconde por trás das narrativas e ficar zurrando elas por aí, repetindo-as aos quatro ventos.
(Deixo aqui, o convite para essa gente ir lá, tentar conhecer pessoalmente a região amazônica, que ao contrário do que muita gente pensa, não tem só floresta. Tem campos, montanhas, lagos, rios, pântanos, mas um aviso: jamais entre numa floresta sem guia nativo, pois ela oferece muitos perigos.)

Toda riqueza sempre desperta a cobiça. E a maior floresta tropical do mundo tem muita riqueza, mas muita mesmo. Mais do que qualquer um de nós seria capaz de imaginar.

E não estamos falando apenas da madeira que os hipócritas supra-citados financiam a exploração ilegal e o contrabando não.
Estamos falando de ouro, pedras preciosas, minerais como o nióbio (sem o qual não dá pra fazer foguetespor exemplo e 90% da produção atual é brasileira graças à tecnologia brasileira), a maior biodiversidade*** do planeta, vestígios conhecidos e desconhecidos de civilizações perdidas, lendas e mitos com uma pitada de algum dia se revelarem como reais (?), uma infinidade de coisas ainda desconhecidas que podem beneficiar o mundo todo... e o ouro do futuro: Água potável. Muita água potável. Água que está cada dia mais cara justamente nesses países que querem "internacionalizar" a Amazônia.

O Brasil está em cima dos dois maiores lençóis freáticos do mundo: O Aquífero Guarani e o recém descoberto Rio Hamza, que estima-se ser maior até do que o Rio Amazonas.

Sem falar nos tais "rios voadores" dos quais o principal carro-chefe da Economia brasileira depende e o Povo brasileiro não está nem um pouco afim de abrir mão disso. Por isso a maioria dos nossos militares têm como grito de guerra, "Selva!" (embora tenhamos também tropas especializadas em todo tipo de bioma, inclusive a única tropa de caatinga do mundo).

Não, senhoras e senhores. As florestas brasileiras estão muito bem guardadas , invadir o Brasil seria péssima idéia e nós, brasileiros, temos bons motivos para mente-las assim.

E vocês aí na Europa e EUA?
Como exigem que suas autoridades cuidem de suas florestas?
Quem garante que essas "queimadas" aí nas suas florestas do Hemisfério Norte, não estejam alterando o clima? Talvez até desviando o curso dos nossos "rios voadores"?
Ou vocês acham que só as daqui do Hemisfério Sul é que fazem dessas coisas?
Suas florestas são responsabilidade sua.
Podem deixar que das nossas, nós cuidamos muito bem e somos apaixonados por elas.

Para encerrar a postagem de hoje, deixo aqui meus parabéns aos árabes. Esses sim, estão dando exemplo no próprio território, ao invés de ficarem de mimimi com o território dos outros.


*Apesar do que dizem Globo, Estadão e Grupo Folha/UOL que já boicoto sumariamente desde 2010 porque minha paciência com a militância deles gerando fake news esgotou minha paciência.

** Isso me foi ensinado numa aula de Geografia Crítica em 1987 e até hoje, não encontrei evidências suficientes para me convencer do contrário.

*** Este link só dá alguns exemplos. É impossível hoje, listar todas as espécies da Amazônia e muito não se conhece.