Translate

segunda-feira, julho 26, 2021

É inegável que hoje existe uma pandemia.
Mas ela não é uma doença causada por nenhum vírus ou bactéria e é muito mais nociva do que todas elas juntas.
É uma doença chamada solidão.
Embora o mundo tenha se tornado uma imensa massa virtual que nos bombardeia 24h/dia com palavras, vídeos, áudios, memes, GIFs, stickers, emojis numa Era em que jamais a humanidade trocou tantos dados ou informações, estranhamente as pessoas estão se sentindo cada dia mais sozinhas, carentes e consequentemente, mais deprimidas. E depressão, mata. Impiedosamente.
Essa solidão só acontece, porque falta um remédio fundamental chamado humanidade.
Não estou falando em "humanidade" no sentido de "conscientização", de "causas humanitárias"... nada disso! Nada dessas propagandas hipócritas cheias de intenções disfarçadas.
Estou falando de humanidade MESMO, da sensação de se sentir um ser humano, íntegro (mesmo aceitando humildemente todos os defeitos e limitações inerentes à espécie) e principalmente, livre.
Livre de interrupções de momentos em que se sente a própria vida como ela deveria ser, livre de obrigações supérfluas como atualizar sistemas ou atender alguma mensagem instantânea.
Livre para ouvir e fazer música de verdade, nada comercial, muito menos mostrar que se ouve alguma porcaria da moda para se "socializar".
Livre para desenhar, escrever, sorrir (e expôr seu sorriso sem máscaras), para se declarar, para abraçar, correr, pular, brincar, praticar algum esporte sem se importar se o faz porque "é saudável" ou para fazer selfies dizendo que faz isso ou aquilo...
A virtualização nos roubou essas coisas.
Nos roubou nossa essência como seres humanos.
E é por isso que nos tornamos cada dia mais isolados, cada dia mais solitários.
Porque qualquer um que seja ousado(a) à ponto de expôr essa doença num mundo mentalmente doente, será interpretado como se esse sim, fosse "doente".
É lamentável que a humanidade esteja se autocondenando desta forma tão mesquinha, tão pobre de espírito... E há tanto tempo sem notar.


Escolhas virtuais
"Vivemos no mundo do irreal onde tudo o que vemos é somente uma sombra imperfeita de uma realidade mais perfeita."
(Platão, 348~347 a.C.)



Há vários anos eu tenho alertado aqui neste blog sobre os perigos de se virtualizar tudo e de praticamente entregarmos todos os aspectos de nossas vidas ao mundo virtual.
Perigos que vão desde a mera exposição de dados sensíveis em redes sociais, passando por cadastros desnecessários, aplicativos de mensagens que roubam seus dados para comercializa-los para empresas de telemarketing (que sabe-se lá quem poderia pôr as mãos nesses dados e com quais propósitos) até golpes de Estado causados por fraudes eleitorais.
Os perigos no mundo virtual estão por toda parte. E quanto mais dependermos desses serviços virtuais, mais vulneráveis (sob todos os aspectos de nossas vidas) podemos estar nos tornando de modo que com o tempo, deixamos de sermos donos de nossas vidas entregando-as a esses serviços que quem controlar... Nos controlará.

Felizmente, hoje, começa-se a se falar sobre segurança e privacidade no mundo virtual, um cenário bem diferente de uns 5 anos atrás, quando as pessoas desdenhavam cada vez que alguém alertava sobre os perigos envolvendo transações eletrônicas, ou sobre as possibilidades de vazamentos de dados sensíveis que poderiam ser facilmente explorados por criminosos ou por corporações sem escrúpulos em transformar seus usuários em produto. Mas infelizmente na prática, uns 95% da população morde qualquer isca que se apresente como alguma "facilidade do mundo moderno" e a agarra com todas as forças, principalmente se figura como "gratuito", sem perceber que o preço é justamente sua privacidade e consequentemente, sua segurança e pior ainda: a vítima passa a estruturar toda a sua vida na dependência dessas "facilidades". Assim sendo (repito), quem controlar essas "facilidades", controlará essas vítimas... Completamente.

Também se fala muito sobre ramsomware (azar de quem depende do Windows como sistema operacional), sobre "hackers" (palavra que pode confundir muito quem não entende do assunto e imediatamente atribui a palavra "hacker" a algo ruim, o que na prática, raramente é verdade, pois existe uma "fauna" imensa por trás desta palavra, que vai desde os "makers" que fazem coisas úteis "hackeando" coisas sucateadas, passando pelos técnicos que fazem gambiarras ou "hacks" para fazerem circuitos e máquinas funcionarem até analistas de sistemas ou de redes que buscam fragilidades ou brechas de segurança em sistemas corporativos para corrigi-los tornando-os mais seguros).

Infelizmente a palavra "hacker" ganhou a má fama graças a uma "espécie" no meio dessa "fauna", conhecida como "crackers": os cybercriminosos que roubam informações, sabotam sistemas, fraudam dados ou os irresponsáveis que os estragam.

Ora... Ladrões, sabotadores, fraudadores e irresponsáveis sempre existiram na História da humanidade. Só que hoje, com a evolução tecnológica, essas práticas que antes eram físicas, passaram a ser virtualizadas, causando prejuízos nada virtuais. E o mundo virtual é um paraíso para criminosos cometerem esses tipos de crimes, porque ao contrário do mundo físico, abre a possibilidade de não deixar rastros. Especialmente se combinada com ações de Engenharia Social, o que aliás, é a chave para o sucesso da imensa maioria desses crimes.

Para exemplificar (de modo estupidamente simples), resolví escrever este programinha em MSX-BASIC (escolhí este dialeto do BASIC porque ele tem o comando "DELETE") para executar o "complicadíssimo" cálculo 2+2:

10 LET A=2
20 LET B=2
30 LET C = A+B
40 PRINT C
50 END


Aí eu mostro este programa para os "especialistas" e para o público e de fato não há nada de errado com ele. Só que não vamos executa-lo ainda, porque combinamos de executar este programa apenas UMA vez, para provar que 2+2 = 5.
Mas acontece que só eu tenho acesso a esse programa até o momento em que ele será executado. Só que antes do momento combinado, quando ninguém estiver olhando, acrescendo as linhas 35 e 36 conforme segue:

35 PRINT 5
36 DELETE 35-36:END


Então, sem listar o programa para o público, digito RUN e aperto [Enter] para executar o programa e ele me retorna o valor 5 que obviamente será contestado e aí eu digito LIST e aperto [Enter] novamente e o que os peritos terão para auditar, será apenas aquele programinha inicial, sem as linhas 35 e 36 (já que na linha 36, existe o comando para apagar as duas linhas encerrando o programa*). Ou seja... Não há como provarem que o resultado foi fraudado.

Coisas semelhantes podem ser facilmente escritas em qualquer linguagem de programação e em qualquer escala (ou seja, em cálculos ou tarefas incalculavelmente maiores e mais complexas do que este nosso exemplinho bobo aí), bastando os programadores envolvidos serem criativos suficiente e haver um bom plano de Engenharia Social para que a "mágica" possa ser executada.

No caso de uma eleição por exemplo (em que todos os votos além de serem virtuais e serem somados num único lugar em que apenas uns certos interessados têm acesso) para qualquer um que entenda um mínimo de programação e certificação de operações, é garantia de invalidade do processo, uma vez que ele não tem condição nenhuma de ser certificado por TODOS os interessados.

Por outro lado, uma eleição em que todos os votos são físicos, (em cédula de papel, como é feito há milênios) e contados localmente, presencialmente e publicamente, é impossível fraudar sem deixar rastros facilmente auditáveis, bastando uma simples recontagem dos votos um a um, o que é impossível de se fazer com votos virtualizados.

Toda eleição é uma potencial tentativa de Golpe de Estado e por isso TODA a população (inclusive seu braço armado) precisa estar atenta quanto à lisura da mesma ou seu destino poderá ser entregue às mãos de representantes ilegítimos com intenções nada honestas.

Assim sendo, qualquer um que seja contra a possibilidade de qualquer tipo de recontagem física de votos um a um, está assinando seu apoio incondicional a potenciais fraudes no processo e portanto, se colocam numa posição altamente suspeita. Ainda mais se desrespeitarem a soberana vontade da maioria do Povo, o que os coloca figurando como traidores da Nação.

Dizem que daqui a 3 dias, o Presidente apresentará provas de fraude eleitoral ocorrida na eleição de 2014 como exemplo de que o sistema eleitoral brasileiro é fraudável (para não dizer coisa pior). E podem apostar, que os interessados na fraude vão fazer de tudo para desdenhar, negar, tentar desviar o foco, desqualificar os envolvidos na exposição do tema... Aliás, como sempre fazem desde 1996 quando eu já falava que não confiava em eleições eletrônicas e já tentei expôr as fragilidades dessas coisas aqui neste blog uma infinidade de vezes.

Fragilidades que só começaram a ser consideradas porque um ex-agente da NSA e dois Presidentes da República de dois países diferentes resolveram tocar no assunto (e TODA a mídia mainstream bem como TODAS as Big Techs** fazem de tudo para desdenhar o assunto usando termos como "sem provas", etc., bem como apagando de todas as redes possíveis, todos os vídeos ou quaisquer materiais expondo as mesmas... Ora... Já falamos por quê em textos anteriores neste blog).

Se isso não tivesse ocorrido, talvez a população mundial ainda continuasse seguindo como gado para o matadouro muito mais do que já está neste mundo de zumbís "maria-vai-com-as-outras" que se guiam pelas "modas" expostas pelas mídias mainstream e pelas "promoções" propagandeadas nelas.

Me desculpem o desabafo, mas se "a carapuça lhe serviu", ou você acorda para o mundo real, ou pare de ler este blog e volte ao mundo de "Alice no País das Maravilhas".

Ora... Desde que criei este blog, eu escrevo é para desabafar mesmo. E para gente capaz de raciocinar por conta própria, PENSAR por si próprio(a). Gente que merece pontos de vista sinceros, livres e diretos, sem censuras idiotas "politicamente corretas" para juntar as peças por si mesmas e construírem sua própria opinião ao invés de seguir as opiniões de geradores de narrativas (os tais "geradores de opinião " ou "influenciadores") piamente, como se fosse alguma religião.

Francamente, eu duvido que esses assuntos ligados aos perigos digitais se encerrem com este texto.
Aliás... eu poderia passar a vida toda escrevendo sobre isso. Mas só aqueles(as) que prezam por liberdade e tiverem um mínimo de QI dariam alguma atenção.
No entanto, nós, como espécie humana, caminhamos para tempos muito sombrios nesse sentido, de modo que torna-se cada dia mais difícil não se tornar escravo(a) dependente dessas coisas.

Talvez, devêssemos de tempos em tempos, desligar nossos gadgets e exercitarmos periodicamente um "jejum digital" voltando às orígens, aprendendo com a Natureza, efetuando trabalhos físicos sem interrupções para voltarmos a nos acostumar com a liberdade e talvez, descobrirmos que temos muito mais em nós mesmos algo que jamais teremos de verdade no mundo virtual: humanidade.



* Em MSX-BASIC, na prática, nem existe a necessidade de se incluir o comando LET (porque a atribuição de valores à variáveis pode ser feita omitindo esse comando) ou END (uma vez que ele termina o programa automaticamente ao não ter mais instruções ou ao término da execução de um comando DELETE). Acrescentei esses comandos aqui neste exemplo apenas para efeito didático.

** Alguém aí já notou que se você fizer alguma pesquisa sobre assuntos que não agradam as mídias mainstream no YouTube, ele só retorna links da mídia mainstream que negam esses assuntos ou os desqualificam?


quarta-feira, junho 23, 2021

No começo deste ano, ao cancelar minhas contas do Twitter e do Facebook (e consequentemente, Instagram e WhatsApp que espero ver nunca mais), iniciei um pequeno projeto secreto particular de modo que eu e um amigo, ficamos testando-o de 20 de janeiro até revela-lo oficialmente em 25 de maio deste ano:
Há vários anos os amigos vinham me pedindo para eu fazer um blog para mostrar como eu consertava e restaurava coisas e... agora o blog, que chamei de "Picolo's Lab" é uma realidade.

Porém, o que era um simples hobby, por força das circunstâncias, acabou meio que virando profissão, de modo que cobro meus trabalhos por hora trabalhada. Não só os de restaurações como as que pretendo apresentar no novo blog, mas também de qualquer habilidade que eu tenha acumulado em décadas de experiência, como suporte de redes de computadores, digitalização de mídias obsoletas (como VHS, cassette ou fitas magnéticas de 1/4"), recuperação de dados de mídias digitais antigas, instruções de Técnica Vocal, aulas de Fotografia Profissional, design gráfico, tratamento de imagens... até reimplementação de toda a infraestrutura de uma empresa de telefonia do zero. (Sim, já fiz isso uma vez.)

Como sempre fui extremamente exigente quanto à qualidade dos serviços que prestei ao longo de toda a minha saga profissional iniciada em 1985, fico orgulhoso de dizer que de lá para cá, 99% dos meus clientes ficaram bastante satisfeitos com meus trabalhos e não é raro eu receber elogios, especialmente agora, que não estou mais subordinado a ninguém além de meus clientes, que estão sempre bastante cientes de que a prioridade absoluta é a qualidade e portanto, eles não ligam para os prazos, porque sabem que é do meu interesse entregar em tempo satisfatório para que eu possa satisfazer enquanto libero espaço na fila para pegar mais trabalhos.
Cliente satisfeito sempre volta.

Mas ainda é cedo para eu poder dizer se esse negócio está dando certo ou não no sentido de me garantir uma independência financeira, uma vez que é um mercado que tem se mostrado ainda muito insconstante, que depende tanto das necessidades dos clientes atuais quanto da ciência de potenciais novos clientes de que eu faço esse tipo de serviço.
Porém, como estou começando praticamente só agora, ainda é impossível haver um "baseline" para avaliar.

No entanto, eu ganho muito mais restaurando coisas do que apanhando para tentar cumprir as exigências absolutamente subjetivas e completamente infundadas das "consultorias de RH".
Sinceramente, minha paciência com essa gente já se esgotou e prefiro deixa-los lá, gerando os problemas deles como intermediários, enquanto eu aqui, ofereço minhas soluções DIRETAMENTE para meus clientes.
É bem verdade que ganho muito menos do que eu ganharia se eu voltasse a trabalhar numa AT&T ou IBM da vida, como já trabalhei, até porque aqui, eu é que tenho de fazer todo o trabalho sozinho ao invés de ter toda uma corporação para ajudar (ou em alguns casos, complicar soluções que poderiam ser mais simples).

À partir de hoje, os leitores deste blog, poderão (não sei até quando) clicar nesse banner aí do lado, para visitar o novo blog.
Sugiro que comecem a leitura pelo primeiro texto ("Uma apresentação básica").



Um balanço de meio de ano
"O mal prega a tolerância até que seja dominante. Então tenta silenciar o bem."
(Arcebispo Charles J. Chaput)



Bom, chegamos à metade do ano.
É... O tempo passa muito rápido.
Especialmente se temos de ficar mais tempo confinados em casa sem ter o que fazer porque algum imbecil hipócrita decreta "toque de recolher" (como se estivéssemos em Estado de Exceção) encolhendo o tempo em que as pessoas têm de efetuar suas transações pessoais e portanto, se acotovelando em filas e aglomerações que simplesmente não existiriam se o horário comercial fosse expandido, ou quando algum imbecil hipócrita pior ainda decreta lockdown para quebrar de vez a Economia, o Comércio (e consequentemente aumentar o número de desempregados) nos "feudos" em que esses imbecís se sentem "imperadores soberanos". (E eu quero só ver se sai o tal "decreto" do Bolsonaro contra essas coisas... o que francamente, pago para ver.)

Se esses hipócritas quisessem realmente impedir aglomerações em bares, restaurantes e festas clandestinas, não precisaria incluir todo o resto da população nessas imbecilidades.
Bastaria restringir só isso.
Mas os(as) assíduos(as) leitores(as) deste blog sabem muito bem que o real objetivo desses hipócritas passa bem longe disso.

Enquanto isso, parece que todas as previsões que venho postando no meu blog desde o ano passado para este ano, infelizmente têm (pra variar) se cumprido até aqui, o que sinceramente, acho um porre de monótono.
No entanto, para azar daqueles caras lá que se acham "donos do mundo" à ponto de financiar as "Pedras-Guia da Geórgia", os planos deles começaram a dar errado.

Sabe como é... e-mails vazando, genocidas safados sendo presos, narcotraficantes internacionais sendo presos às centenas de uma vez só (sem contar os que já foram abraçar o Capeta pessoalmente), EUA e Russia concordando que a China é uma ameaça comum (apesar do poste que plantarem na Casa Branca), espião chinês desertando para os EUA e contando tudo...
Tudo isso só este mês!
E podem acreditar... isso é só o começo do que tá vindo aí.

Como já cantei a bola no último texto... "Quem se mete no meio de cobras, se arrisca a ser picado."
É patético como os "donos do mundo", os "senhores absolutos do Sistema", são absolutamente incapazes de perceber que as cobras sempre estiveram e sempre estarão entre eles mesmos, uma vez que com certeza, nenhum deles alcançou o grau de poder que têm hoje pela honestidade, pela honra, ou pela nobreza de caráter, apesar de ser esta a imagem que vivem tentando pregar, se auto intitulando (através das mídias das quais são donos), como "filantropos"... Ha!

A verdade é que qualquer um desses "donos do mundo" se der as costas para outro, periga ser apunhalado. Mas todos eles pensam que estão "todos num mesmo iate" e que todos os membros dessa "elite global" fazem parte de um mesmo time, unido contra todo o resto da população mundial.
Ora... Como essa gente acha que tudo isso aí aconteceu de uma vez só debaixo dos narizes deles se eles têm os maiores serviços de Inteligência do mundo nas mãos?
Traição entre eles, óbvio!

A ganância pelo Poder é o vício mais ilimitado que existe e certamente o mais perigoso dos Pecados Capitais e assim, esses "donos do mundo" são todos uns fingidos entre si enquanto cada um deles tem seu próprio plano secreto para derrubar os outros.
Eu não vou me surpreender se eles começarem a se matar entre si como animais. Especialmente porque eles não têm nem nunca tiveram qualquer respeito por vida nenhuma, o que pode ser confirmado pelo teor dos e-mails vazados entre o Dr. Fauci e Mark Zuckerberg. (Ele mesmo! O dono do WhatsApp, do Instagram, do Facebook e de tudo o que você posta nessas 3 plataformas.)
Aliás... o conteúdo dos tais e-mails expôem publicamente um monte de coisas que já falei aqui N vezes neste blog e que certamente um monte de gente achou que fosse bobagem, como sempre.

Entre outras coisas que deram errado nas vidas dos "donos do mundo"... As recontagens de votos nos EUA estão em pleno vapor, e embora exista pouca possibilidade de que estas também não sejam manipuladas pelo poder de "influência" que os leitores deste blog já estão carecas de saber, os congressistas estadunidenses já estão se mobilizando no sentido de criarem leis para impedir (ou no mínimo, dificultar) novas fraudes eleitorais.

A idéia da "agenda" de pôr os EUA contra a Russia para desviar a atenção do mundo para os movimentos da China também deu errado.
Putin já declarou que arranca os dentes de quem tentar invadir a Russia (esse recado não foi para a OTAN (como certos analistas andaram especulando), porque a Russia mantém um conflito na Ucrânia justamente para manter a OTAN longe de suas fronteiras uma vez que ela não aceita países em conflito na organizacão).

Ainda falando da tal "agenda", a idéia de pôr os EUA contra o Brasil também deu errado, uma vez que há 7 meses, Putin (certamente o maior estrategista sentado numa cadeira de Presidente no mundo hoje), elogiou Bolsonaro por não morder as iscas que poderiam ter posto Brasil e EUA (e/ou França) em um conflito que facilitaria as coisas para o Partido Comunista Chinês (o atual principal aliado dos "donos do mundo") alcançar o seu sonhado "Poder Hegemônico Global".

E por falar em Brasil, a inauguração da ponte do Abunã, finalmente ligando o Acre a Rondônia, foi uma tacada estratégica que, se o Governo Peruano for esperto, abrirá uma estrada direta ligando o porto de Callao à fronteira com o Acre, facilitando assim o escoamento de produtos brasileiros para o Pacífico, bem como a importação de produtos vindos por lá, barateando significativamente os custos com frete.
Embora exista a Estrada do Pacífico, até 2020 o tráfego de produtos brasileiros nela era praticamente insignificante, o que deve mudar bastante à partir de agora.

Para complicar mais ainda a tal "agenda", EUA e Japão passaram a reconhecer (finalmente) Taiwan como um país democrático, logo, um país soberano*.
É... tá dando ruim, né "galerinha do mal"?

Mas calma que neste mês que está começando agora, a galera do "chapéu de alumínio" está prevendo um colapso na Internet (como eu já especulei em 2017), que poderá afetar especialmente os bancos de dados dos bancos e/ou diversas "núvens" de dados ou de processamento que como eu já falei... não passam de servidores que você não sabe onde estão, nem exatamente a quem pertencem, nem quem cuida deles, nem com que intenção. Mas estranhamente, você confia plenamente, né?
Ó... parabéns pra você!

Eu espero que desta vez, a galera do "chapéu de alumínio" esteja enganada, porque se não estiver, azar de quem não imprimiu um extrato, de quem não tem um backup local de seus arquivos, ou de quem depende de processamento de algum desses sistemas remotos, porque se eles estiverem certos, vai ser uma choradeira...

Embora um monte de ítens da agenda dos "donos do mundo" estejam seguindo de vento em popa, como a marcação em massa das pessoas disfarçado de "passaporte sanitário" (na prática, uma discriminação contra quem não se adequa ao "Sistema", bem ao estilo nazista), através das campanhas de vacinação cujos efeitos colaterais mais devastadores poderão vir à público só daqui uns 10 anos (quando só será possível incriminar bodes expiatórios), "a máquina" começa a dar sinais de desgaste, com engrenagens importantes (para eles) quebrando, o que para a liberdade, é um pequeno alívio momentâneo que só comemora quem fôr imprudente.

Apesar das perdas, essa gente ainda tem muito Poder sobrando, para causar todo tipo de desgraça nesse mundo por muito tempo ainda, embora a tendência agora, seja eles de fato, começarem acordar para o tipo de gente com quem formaram alianças.

Enquanto isso, o mundo continua acordando, embora que em doses homeopáticas sobre o valor da liberdade, da privacidade e as reais intenções por trás dos incontáveis subversores culturais da vida.



* Pelo pouco que entendo de Princípios de Direito Internacional, um país soberano se forma teoricamente por autodeterminação de seu Povo. No entento, na prática, este país precisa ter condições de defender seu território, o que muitas vezes depende de acordos de reconhecimento de soberania por parte de outros países com poder militar capaz de ajuda-lo a tal.

quinta-feira, maio 20, 2021

O quê é um clássico?
Tudo o que torna-se obsoleto é algo que cai em desuso por haverem soluções ou coisas mais práticas, eficientes ou baratas. Porém, nem sempre essas novas soluções ou coisas carregam os valores culturais, emocionais ou históricos das soluções ou coisas anteriores.
Assim, muitos objetos antigos tornam-se ítens de decoração, muitas coisas se tornam objeto de culto histórico ou emocional, livros, textos, músicas...
Creio que podemos afirmar que clássico é tudo cuja lembrança ultrapassa a mais implacável das barreiras: o tempo.
Por outro lado, tudo o que não se torna clássico, se torna descartável.
Eu não conheço nenhum software que tenha se tornado "clássico", exceto videogames.
Assim sendo, gastar tempo e dinheiro para conseguir uma certificação profissional sobre um software qualquer, é extremamente arriscado, uma vez que ele invariavelmente se tornará obsoleto em pouco tempo, de modo que essa certificação precisa se pagar num curto espaço de tempo, fazendo cair por terra o valor do clichê que diz que "tudo o que você estuda vira conhecimento que ninguém tira de você".
Ora... Passei praticamente a vida toda aprendendo praticamente tudo sobre todos os microcomputadores que ví fabricados entre 1974 até hoje e creio que sou capaz de fazer todos eles funcionarem (eu mesmo mantenho uma coleção deles... tudo funcionando como novos), mas para quê servem esses computadores todos hoje obsoletos, assim como toda a biblioteca de software deles além de mera história ou saudosismo?
Ou seja... Praticamente tudo o que investí de tempo e dinheiro para aprender sobre tudo isso hoje é absolutamente inútil, exceto pelos conhecimentos em Eletrônica e estratégias de Mercado que tenho observado dos fabricantes disso tudo desde que eu era criança, razão pela qual estou tentando aproveitar essa bagagem para ganhar a vida em restaurações e consertos dessas coisas ligadas a tecnologias hoje obsoletas.
Isso inclui material salvo em antigas fitas de vídeo, disquetes, ou outras mídias que caíram em desuso que tenho como recuperar até com certa facilidade para digitalizar, se não estiverem (muito) danificadas.
É a minha forma de tentar recomeçar minha vida enquanto tento me desvincular o máximo que posso do "sistema".
Porque ele é a maior bolha da história da humanidade e um dia vai explodir, embora provavelmente eu nem esteja vivo quando isso acontecer.



Não vai acabar bem nem para os deuses

"Fatos não deixam de existir porque são ignorados."

(Aldous Huxley)



Como escapar do "sistema", dos olhos, controles e direcionamento de pensamento impostos pelas "Big Techs", todas pertencentes aos mesmos grupos oligárquicos que se acham (até certo ponto com razão), "donos do mundo"?
Os(as) leitores(as) mais atentos(as) que já acompanham este blog há um tempo, certamente notaram que cancelei minhas contas do Twitter e do Facebook no começo deste ano por não concordar com as limitações de expressão de pensamento impostas por essas e outras empresas cujos serviços eu já não tinha conta.
Naturalmente isso implicou em aceitar certas dificuldades.

Hoje, quem não tem conta em nenhum dos serviços do Facebook (que é dono também do Instagram e WhatsApp) encontrará graves dificuldades em vender produtos ou serviços no melhor estilo "Marca da Besta" conforme descrito em "Apocalipse".
E agora, essa empresa  (assim como outras "Big Techs") quer também se tornar um banco, não bastasse coletar todo tipo de informação sobre o perfil, comportamento e modo de pensar de seus usuários, bem como censurar opiniões e puní-los usando critérios absolutamente subjetivos.
Sério que ninguém acha estranho todo esse poder literalmente totalitário e ditatorial na mão de uma única empresa?

Ora... A experiência ensina que tudo o que é oferecido "de graça" sempre esconde alguma armadilha, assim como as operadoras de telefonia celular ou de Internet oferecendo os serviços dessas empresas (Twitter e Facebook) "de graça" em suas "promoções"... E sabemos que ninguém faz merchandising de graça.

É muito difícil criticar o "sistema" fazendo parte dele.
Eu mesmo, ainda estou estudando meios de me livrar das duas últimas contas que tenho ligadas à Microsoft (no caso, LinkedIn e Skype... mas ambas não pertenciam à Microsoft quando abrí minhas contas nesses serviços).

Aliás, a Microsoft foi a primeira das "Big Techs" que detectei como desonestas e potencialmente ameaças à liberdade quando eu soube de práticas de sabotagem industrial ainda no começo dos anos 90.
A mesma empresa que monitora absolutamente tudo o que cai na "núvem"* do DropBox ou o que os usuários do Windows 10 fazem em seus computadores, que passam a agir não como se fossem deles mas da Microsoft, que à cada dia, impede mais o acesso direto dos usuários às configurações do sistema operacional, tornando-o uma coisa quase "exotérica" ao invés de exata e direta como todo técnico sério que se preze sabe que um sistema operacional realmente funcional precisa ser.

E do Google então?
Como escapar dele?
Quantas empresas guardam seus materiais de trabalho na "núvem"* do Google Drive?
Quantas buscas inclusive por voz ele grava de você por dia? (Incluindo a gravação da sua voz?)
Até este blog, originalmente registrado no Blogspot, que logo depois foi comprado pelo Blogger, que pertencia ao Google, está sujeito a ser "cancelado" à qualquer momento.
Ele literalmente controla TODOS os dispositivos Android do mundo, logo pode saber o que todas as pessoas que têm um smartphone Android estão fazendo e onde o tempo todo potencialmente sendo espionados 24h/dia.

O mesmo vale para a Apple, que tem controle total e absoluto sobre todo e qualquer software que o usuário pode ou não instalar em seus dispositivos.
E hoje, resolví dar uma organizada nos meus contatos e descobrí uma coisa muito bizarra: O Yahoo coleta todos os contatos de todos os e-mails que recebo ou envio.
Se isso fosse no mundo físico, seria crime de violação de correspondência, mas essa assim como todas essas empresas estão blindadas pelas cláusulas que todo mundo clica em "eu aceito" sem ler. (Até porque ninguém tem saco de ler aqueles baitas "textões" exceto certos advogados em busca de alguma brecha para ganhar algo nisso.)

Essas empresas todas têm mais poder do que nós, meros usuários imaginamos.
Elas são os serviços de Inteligência mais poderosos do mundo e cada uma delas, deixa a CIA, a Mossad, o MI6 e todas as outras juntas de todos os países, parecendo um mero grão de areia no deserto.

O poder de influência delas, é capaz de mudar toda a opinião pública do planeta sobre praticamente qualquer assunto em questão de semanas ou levantar todo o perfil comportamental e localização física em tempo real de qualquer indivíduo do planeta um bem como seus familiares e assim, poderem persuadir qualquer um (inclusive Juízes, Congressistas e militares) a qualquer coisa, inclusive "plantar" um "poste" na presidência da República da nação mais poderosa do mundo e fazer dela o que bem entenderem enquanto removem sistematicamente TODAS as publicações e vídeos denunciando todo tipo de fraude eleitoral... E fica tudo por isso mesmo, para a glória da narrativa.

E você acha tudo isso "normal"? "Exagero"? "Teoria da conspiração"?
Cai na real!
Os grupos oligárquicos donos dessas empresas todas (e quem garante que não são os mesmos donos para a maioria delas ou todas elas, uma vez que um Mark Zuckerberg ou Elon Musk da vida podem muito bem serem apenas "fantoches laranjas" para parecerem que são os únicos respopnsáveis por suas respectivas corporações), têm bons motivos para se acharem "deuses" (e eles têm todos os conglomerados de mídia nas mãos para "pinta-los" como tal).

Agora resta saber quais são as intenções deles.
Uma delas, com certeza é conter a explosão populacional do planeta (mesmo que para isso tenham de provocar genocídios em massa, seja por guerras ou por armas biológicas "travestidas" de "pandemias" ou de vacinas suspeitas).
A outra, é impedir que "novos deuses" como eles se formem.
As outras, amigos... Aposto que vocês não conseguem imaginar nem em seus piores pesadelos.

Mas algo saiu fora do esperado na agenda do "Grande Reset" desses "deuses globalistas". Tanto que a reunião do Forum Econômico Mundial deste ano foi cancelada.
Talvez algum tiro tenha saído pela culatra e de alguma forma, alguma parte dos planos desses "deuses" tenha ricocheteado contra eles mesmos, o que é bem possível, uma vez que mesmo eles podem (ainda que por deslizes acidentais) estar sujeitos às privações de privacidade e liberdade que eles mesmos criaram. Pois não é nada fácil escapar disso tudo, nem mesmo para eles.

Ora, segundo o provérbio popular... Quanto mais alto se sobe, maior pode ser o tombo.
Sempre foi assim, não é?
E no meio de "deuses desonestos" seria muita ingenuidade (especialmente deles mesmos) acreditar que existe alguma lealdade entre eles.
Quem se mete no meio de cobras, se arrisca a ser picado.

Ou estaria o mundo acordando para essas coisas todas?
Exceto pelos raríssimos despertos, "cancelados" ou "auto-cancelados" (como eu?), eu duvido.
A imensa maioria da população mundial, ("chutando" aqui uns 95% dela), sempre foi e sempre será mero rebanho... E continuará seguindo para o matadouro.

Liberdade plena só é possível enquanto existir privacidade plena.
Pena que não se vê praticamente ninguém se dando conta disso.


* "Núvem": Servidor ou conjunto de servidores que você não sabe onde estão, nem exatamente a quem pertencem, nem quem cuida deles, nem com que intenção.
E claro... Vendem esse serviço para você como "super seguro"... Ah, sim! Super "seguro"! Pode crer! (Sqn.)

Obs.: Me recuso aqui a "linkar" os nomes dessas empresas e serviços a seus respectivos sites ou outros, porque eles não me pagam para fazer merchandising.