Translate

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

Este texto já estava praticamente pronto quando me apareceu uma possível proposta interessante de trabalho, apesar de ela reunir tudo em que sempre fui uma negação na minha vida profissional: bancos de dados, programação, cálculos e burocracias em geral (coisa que eu sempre abominei e combati a minha vida toda).
Mas como todas as vezes em que eu achava que não tinha condição nenhuma de me adequar a um novo perfil profissional e acabei surpreendendo até a mim mesmo, topei o desafio de encarar essa fase inicial para pelo menos ver se consigo pegar o jeito. Se não der... Paciência! Pelo menos aprendo um monte de coisa nova e como sempre digo, "dinheiro não é tudo". Mas se der certo... Tudo o que fiz até agora vai parecer brincadeira. (E confesso... estou me c****** todo de medo do tamanho da responsabilidade.)
Me sinto jogando Roleta Russa enquanto estudo feito um doido coisas que antes eu queria distância.
Mas... O quê eu tenho a perder?
Há anos que nada na minha vida faz mais sentido mesmo!


Burocracia
"Nascemos pelados e com fome. Logo levamos um tapa para aprender o que a vida nos reserva."


Outro dia "criei vergonha na cara" e fui renovar meu RG, que apesar de ter "validade em todo o território nacional" conforme a Lei 7116/1983, na prática, se você perder seu RG emitido num Estado e morar em outro, tem de emitir um segundo RG (facilitando a vida dos fraudadores de documentos).
Felizmente não foi o meu caso, mas é claro que para renovar meu velho RG, a quantidade de documentos e dados exigidos, pra variar foi grande, mas já era esperado.
Mas o irritante, é que exige-se exatamente a mesma coisa (salvo um ou outro documento extra) para outros documentos como Carteira de Habilitação, Carteira de Trabalho, CPF, Registro de Alistamento, PIS/PASEP, "Cartão Cidadão" (que na prática não serve para absolutamente nada além de redundância do PIS/PASEP) e por aí vai. E não bastasse isso, alguns desses documentos exigem atualização e re-emissão periódica, repetindo a burocracia para emiti-lo.
Ora... se todos esses documentos exigem os mesmos dados, por quê não consolidar tudo em um só, simplificando a vida do cidadão?
A resposta é muito simples: Burocracia é lucrativa.
Quando eu era criança, lembro de uma propaganda do governo na TV falando do "Programa Nacional de Desburocratização" (ainda no final dos anos 70, mas que só virou a Lei 7116 em 1983), que vários governos desde então vêm dizendo que vão implementar, mas o fato é que só vi fazerem o oposto do que o Art. 3B fala e que é exatamente o que eu defendo desde 1987.
O fato é que para cada documento que é emitido, existe um batalhão de gente ganhando com isso, desde os funcionários das instituições que emitem esses documentos (que dependem disso para garantirem seus empregos) até as próprias instituições governamentais (que naturalmente desviam boa parte do dinheiro arrecadado com cada serviço desses).
Mas a burocracia não fica apenas aqui.
No mundo empresarial, a burocracia é ainda maior, chegando até a inviabilizar o empreendedorismo.
Embora exista um mercado que lucra com a automação de processos de cálculo e emissão de notas, com a auditoria de contas, ou com análise financeira para desembaraços em geral entre outras coisas... (tentando fazer com que essas complicações todas que deveriam ser simples, pareçam simples) e que não dá sinais de que não continuará faturando exponencialmente, o fato é que dentro das instituições governamentais, quanto mais as coisas forem confusas e complicadas, mais pode-se desviar (leia-se "roubar") de inimagináveis formas e "esquemas" diferentes.
A menos até que todos os mercados (dos quais este mercado depende), estejam extintos por excesso de burocracia.
O que aliás, não é difícil de acontecer em países como o Brasil, que já tem características burocráticas muito parecidas com a de países em regime ditatorial totalitário, onde o governo manda em tudo e todos porque seus governantes se tornaram "donos" de tudo e de todos... inclusive de suas propriedades, suas famílias e suas vidas.
Para mim, está bem claro que a burocracia é um "termômetro", um forte indicador do grau de totalitarismo ao qual uma Nação é submetida e o excesso de burocracia deveria ser interpretado como um alerta de que as liberdades de um povo estão sob forte ameaça.
Mas infelizmente na prática, o povo vai gradualmente achando "normal" que as instituições continuem exigindo pouco a pouco, cada vez mais e mais de seus esforços, até que o limite crítico se rompa e o povo se veja num caminho sem volta para a própria destruição como Nação livre e se torne escravo de um governo ditatorial.
De um modo geral, mesmo dando lucro para alguns mercados e garantindo empregos, burocracia é coisa MUITO ruim e tem de ser combatida à todo custo.
O mundo precisa ser simplificado! A vida é curta demais para gastarmos nosso tempo com coisas que no fim das contas, só atrapalham!
De um modo geral, creio que infelizmente, a burocracia nunca será de fato, combatida, pelo simples fato de que por todos os ângulos pelos quais vemos, ela de alguma forma, dá lucro para alguém, enquanto prejudica a vida de muitos.
Agora, se você ganha a vida com a burocracia (seja lá como for), procure faze-lo sem complicar as vidas dos outros. Assim, todos saímos ganhando. Não apenas os gananciosos.
A vida merece muito mais do que isso.

Nenhum comentário: