Translate

domingo, 3 de julho de 2016

Já tem quase 14 anos que mantenho este blog e em nenhuma das 344 postagens houve uma única imagem inserida no texto, para preservar o foco no texto, uma das características muito elogiadas neste blog ao longo de todo esse tempo.
Mas hoje, resolví abrir uma exceção, em função de um momento de saudosismo que me ocorreu essa semana ao ver fita de máquina de escrever NOVA à venda numa papelaria.
Não resistí e tirei do armário minha velha máquina de escrever e exercitar um pouco de redação à moda antiga, sem copy/paste, sem undo, sem corretor ortográfico (de certa forma, um estimulador de preguiça mental).
Nada de distrações, animações, avisos, notificações... nada virtual, nada de gastar energia elétrica, nada de monitores brilhantes e coloridos como os dos incontáveis computadores diferentes que já usei para escrever para este blog.
Apenas eu, o papel, e um dispositivo 100% mecânico, hoje símbolo de uma época mais poética, mais humana e ao contrário do que se pensa, mais civilizada.


Sentindo-me velho

"Eu não sou jovem suficiente para saber de tudo."
(Oscar Wilde)



(Esta imagem está em 200dpi.
Talvez seja uma boa idéia baixar a imagem para ler no seu visualizador predileto.
Para isso, clique na imagem para abrir o arquivo original e então escolha "salvar como..." com o botão direito do mouse.
Você pode imprimir numa folha A4, se quiser, mas não terá o efeito de "baixo-relevo" de uma autêntica folha datilografada numa máquina de escrever mecânica.)