Translate

domingo, 27 de dezembro de 2015

Mais um ano se foi e a sensação de estagnação é grande, deprimente, triste...
Eu continuo desejando muito voltar a escrever sobre minhas reflexões sobre valores humanos aqui no meu velho blog e tentar dar aos(as) leitores(as), uma visão filosófica pessoal construtiva (ao invés da subversiva que se têm em abundância nas universidades brasileiras).
Quero muito falar sobre o valor de momentos simples da vida, como o estranho e ilógico prazer de sair para caminhar na chuva de madrugada, entre árvores e bambuzais, ou das lembranças (boas, tristes ou ambas) que certas músicas podem nos trazer... (Mas é difícil, com tanto aviso importante para dizer, sobre coisas que ameaçam tudo isso!)
Se fantasmas têm desejos, o maior desejo de um fantasma, é viver.
Mas o que é a vida, afinal?
Para quê ela serve se não se pode vive-la em paz, se nossa realidade é uma guerra diária por sobrevivência, em que não se pode confiar em ninguém em lugar algum, sob nenhum aspecto?
Nem se pode expôr uma idéia qualquer sem que você sofra alguma tentativa desesperada de ter essa opinião "destruída" de todas as formas possíveis, incluindo tentando te desacreditar publicamente, ou te atacando psicologicamente... só porque é uma idéia PESSOAL, talvez construtiva, mas que contraria as "doutrinas" vigentes?
Ora... destruir uma idéia possivelmente construtiva é tão necessário assim?
Talvez fosse melhor lembrar que os maiores avanços que a humanidade já teve, começaram com idéias que parecíam blasfêmias e é exatamente por esse motivo que ao invés de destruir (ou "desconstruir" que dá na mesma), é muito mais inteligente, respeitar, ponderar e observar ANTES de meramente criticar, cometendo assim, um vergonhoso assassinato intelectual.
Se tem uma coisa da qual eu tenho medo, é do futuro.
É por isso que eu tento tanto melhora-lo... mas é uma luta onde me sinto cada dia mais solitário.


O último texto de 2015
"Nós não podemos resolver os problemas usando o mesmo tipo de pensamento que usamos quando os criamos."


Bom, chegamos ao término de mais um ano.
Um ano catastrófico para o Brasil sob todos os aspectos, diga-se de passagem, com dezenas de multinacionais indo embora, fábricas fechando aos montes gerando taxas de desemprego como já não se via há anos, o comércio indo de mal a pior, o Poder Judiciário sabidamente aparelhado (já falei disso ano passado aqui mesmo neste blog) rasgando a Constituição na maior cara de pau (enquanto o alto-comando das FFAA faz de conta que as instituições democráticas estão funcionando "normalmente" quando claramente não estão), o Legislativo comprável com cargos, propina ou comissões extra-oficiais (também já falei disso ano passado); Caos induzido no sistema de Saúde para ressuscitar à todo custo (do trabalhador), o extinto CPMF, imposto que será usado para campanhas político-partidárias nas eleições futuras enquanto se proíbe o investimento privado nessas campanhas; orçamento que corta verba da polícia Federal (que revelou vários criminosos de colarinho branco) e aumenta substancialmente o salário dos juízes que compõem o Judiciário (que julga os mesmos criminosos de colarinho branco).
Tivemos ainda o maior desastre ambiental da história do país, mas ninguém será punido por isso.
Fala-se em cortes de gastos do governo, mas esbanjam em viagens internacionais com comitivas de umas 900 pessoas hospedadas em hotéis de luxo.

Enquanto isso... o povão continua perdido, longe de se unir contra o governo que o rouba descaradamente, preferindo discutir as cores do perfil no Facebook para mostrar que a pessoa se sente "indignada" por essa ou aquela catástrofe, como se houvesse catástrofe mais ou menos significativa ao invés de trabalharem para que essas catástrofes não se repitam.
O que mais me assusta é o fato de tudo isso estar acontecendo e as pessoas preferirem lutar por suas "crenças em bandeiras ideológicas" artificiais como preconceitos, "mimimis" diversos ou "direitos" que já existem ao invés de focarem no único inimigo comum que ganha (e muito) com esse tipo de desunião.
É preciso definir prioridades logo, ou os bandidos que estão no poder é que as definirão e quem discordar, vai conversar com chumbo no paredão de fuzilamento.
E olha que quando eu digo que esses caras são bandidos, não estou dizendo que são bandidinhos não! É gente da pesada! Gente capaz de matar e não acontecer absolutamente nada com eles mesmo que toda a mídia mainstream (controlada por eles mesmos, mas que boa parte da população parece finalmente começar a perceber) publiquem claramente o crime e (naturalmente, tentando transforma-los em "vítimas").
E sabe o que é pior?
Eu já avisei desde 2010 que teríamos um futuro extremamente decadente por causa desses bandidos, que já falei N vezes, mas repito mais N vezes se for necessário: Para esses TERRORISTAS no Poder, destruir a Economia, o sistema educacional, a infra-estrutura, a Indústria e a Cultura do Brasil, NÃO É INCOMPETÊNCIA! É um PROJETO!!! Porque um país completamente falido, se torna dependente, submisso, escravo de quem estiver no governo, porque assim, tudo o que o governo fizer, terá justificativa emergencial. Inclusive desapropriações de propriedades e bens materiais, assim como assassinar por isso!
Em outras palavras, uma DITADURA TOTALITÁRIA disfarçada de "Estado de Exceção" (em que se cassam os direitos e liberdades dos cidadãos)!
Só um milagre agora, para tirar o Brasil desse caminho, enquanto você talvez esteja aí, mais preocupado com o final do "brasileirão", ou se vai ter cerveja na geladeira para ver o próximo jogo?
Se liga!
Protesto? Pressão popular em cima de políticos?
Ajuda sim, claro!
À conta-gotas, doses homeopáticas.
Intervenção? Ha! Esquece!
Só se houvesse uma ruptura muito grande dentro das FFAA (coisa que duvido que aconteça, porque elas são bastante coesas até onde eu saiba) a menos que o alto-comando esteja só fingindo estrategicamente que estão cegos em relação ao funcionamento aparelhado das instituições democráticas, o que sinceramente, eu duvido, porque esses caras são humanos, têm suas famílias e estão bastante bem em suas atuais zonas de conforto, das quais seus netos sentirão vergonha no futuro.
Minhas dicas de sobrevivência para 2016 são:
1 - Não esperem nada do Governo. Jamais! Esperem dele apenas UMA coisa: Eles são bandidos mentindo para você porque querem te roubar ainda mais do que já roubam.
2 - Mantenha sempre um estoque de comida e água para um mês. (Levando-se em consideração o naipe as manifestações que aconteceram em 2015 que naturalmente ou não foram divulgadas pela mídia mainstream, ou foram grosseiramente distorcidas por ela, eu diria que vivemos um período bastante imprevisível.)
3 - Tente arrumar uma forma de se defender em caso de guerra civil ou algo que o valha.
4 - Pare com o "mimimi" e priorize sua atenção com o que fazem COM O SEU DINHEIRO, esses bandidos arrecadam com os impostos, taxas, tarifas e "contribuições" que você paga e se questione se você concorda. Se não concorda, RECLAME! Afinal de contas, não existe "dinheiro público"!!! ESSE DINHEIRO É SEU!!!


Desculpem decepciona-los com esse "choque de realidade" através deste texto.
Eu realmente desejo a todos vocês, queridos(as) leitores(as), que 2016 seja um ano marcado por mudanças substanciais que signifiquem o melhor para todos, mas aprendí das piores maneiras que vocês puderem imaginar, que a esperança, é a mais traiçoeira e destrutiva das mentiras.
Se querem um futuro melhor, façam-no vocês mesmos(as)!


Boa sorte a todos nesse futuro!