Translate

sábado, 26 de setembro de 2015

Tudo tem um fim.
E todo fim é sempre doloroso e triste.
E eu ainda estou lutando muito para me livrar dos lastros que me impediram até hoje de construir a última coisa que falta para que eu sinta que minha passagem por este mundo serviu para alguma coisa, embora que, tarde demais.

E justamente por ser muito tarde, é que a cada dia que passa me sinto mais solitário, só que desta vez, eu até prefiro ser solitário.
Estou tão cansado de ser passado para trás, de ser enganado, usado, zombado, julgado, traído... que minha paciência com a raça humana já se esgotou em relação a coisas como gente pedindo dinheiro, tentando apelar para a emotividade feito bebês chorões, "mimimi politicamente correto", sermões de crenças religiosas (como se eu fosse idiota de me converter à qualquer crença ilusória desse tipo depois de voltar do inferno) entre outras coisas... que eu realmente procuro me isolar e o pior de tudo: praticamente nada parece me dar algum prazer, porque praticamente tudo é ilusório, inconstrutivo, fútil, ilógico, bobo.
Ultimamente, até a música (
talvez o último reduto onde as emoções ainda me fazem algum sentido) parece ter perdido a graça.
Quem dera eu pudesse ver algum sentido nesse pouco de vida que ainda me resta nesse mundo! (Ou seria ver algum sentido nesse mundo para que a vida valesse a pena?)
Quem sabe no futuro, quando eu já não estiver mais vivo, eu seja lembrado como "alguém que conseguiu" fazer alguma coisa?
Não sei... mas quero ser lembrado
pelo menos como alguém digno, que tentou.
Este texto é uma continuação. Recomendo ler a parte 1 antes de ler este texto.



Como salvar o Brasil? (Parte 2 - Pré-requisitos)
"Nunca um governo populista revela tão bem sua essência do que quando a própria população se revolta contra ele."
(Felipe Venturini Arcêncio, Cientista Político e Social)


OK... todo mundo já está "careca" de ler nas redes sociais, blogs, etc., que os golpistas seguiram rigorosamente as "cartilhas" da Escola de Frankfurt e do Antonio Gramsci desde 1974 quando As universidades foram entregues aos marxistas de plantão exatamente conforme eles desejavam.
Ou seja... foram sistematicamente em doses homeopáticas (para que isso ficasse "invisível" para a população) subvertendo a Educação, a Cultura, instituindo movimentos "humanitários" de viés político-cultural, ocupando espaços-chave nos três poderes e o mais importante: atribuindo a culpa a todo mundo menos a sí mesmos, numa jogada de propaganda e marketing de imagem diário por todas as mídias que chegam a público.
Fizeram isso em outros países também, que sucumbiram a esse plano de dominação, mas aqui tivemos alguns diferenciais:
1 - Uma Constituição republicana tripartite com mecanismo de pesos e contra-pesos à Montesquieu (ao invés daquele modelo da Escola de Madrid), o que dificultou alguns passos do plano;
2 - O povo mais diverso do mundo, que atrapalhou a divisão do mesmo em "classes" para brigarem entre sí;
3 - (Aqui está a incógnita...) Um Estado-Maior (FFAA) consciente de suas obrigações sobre manter as instituições democráticas (mesmo que para isso precisem passar por cima de certas decisões jurídicas que se saibam serem corruptas - o que não é difícil de acontecer com o aparelhamento dos três poderes) e já experiente em relação à guerrilhas armadas, talvez só esperando um primeiro tiro para agir. (?)
Talvez isso aconteça após o impeachment, mas o STF está claramente aparelhado. No entanto, este AINDA pode sofrer pressão popular de 200 milhões de brasileiros irados (o que certamente vai acontecer antes das FFAA se mexerem... se eles se mexerem).
De qualquer maneira, pouco adiantaria uma intervenção militar capaz de literalmente "limpar" as instâncias do governo contaminadas por essa quadrilha (muito menos um impeachment que certamente jamais atingiria quem controla a "marionete") se - e somente se - não houver uma REFORMA CULTURAL COMPLETA no Brasil e que é o cerne desta série de textos que estou me dando o trabalho de redigir (e que infelizmente tenho certeza, será ignorado como todos os avisos que já estou falando desde o começo deste blog e sendo tratado como "louco" e "idiota" por isso... mas tudo o que eu falei aconteceu).
Uma certeza: não teremos paz no Brasil, pelo menos pelos próximos 10 anos e com alguma sorte, levaremos DÉCADAS para retomarmos o desenvolvimento do país.
É o preço a se pagar por décadas de omissão desde a morte de Tancredo Neves sobre O VERDADEIRO CONFLITO que existe no Brasil, que não é esquerda versus direita, mas de populismo versus república, uma vez que o plano marxista (repito, marxista, porque segundo os socialistas, "nem Karl Marx era marxista") já está sendo desmascarado e é mais fácil identificar os principais pontos onde eles trabalharam durante essas décadas todas se você estuda esse material (imenso e "sacal") da Escola de Frankfurt e do Antonio Gramsci, mas não se preocupem... nos próximos textos dessa série, vou pontuar alguns dos principais e como neutraliza-los.
Aí... a tarefa fica para o(a) leitor(a) decidir como proceder.
Por hora, só expús aqui como as coisas estão acontecendo para que os(as) inteligentes leitores(as) deste blog, possam se situar neste cenário de caos no qual vivemos hoje.
Para detalhes, aconselho clicar nos links discretamente posicionados no meio do texto, para verem vídeos, textos e documentários, como já é tradição neste blog.
Para prosseguir com esta série é EXTREMAMENTE FUNDAMENTAL que os(as) leitores(as) estejam bastante familiarizados com o que já foi exposto até agora e entender claramente as diferenças de definição entre Governo (instituição que representa o Estado), Estado (a sociedade formada pelos cidadãos de um país) e Estado-Maior (as Forças Armadas) e suas relações, bem como conceitos de estratégia geopolítica e militar como as diferenças entre Estado de Exceção, Estado de Sítio, Lei Marcial e Ditadura (quando o sistema governamental tem mais poder do que o Estado), mas seria também bastante desejável entender o quê de fato são Ideologias de Esquerda, Ideologias de Direita (e principalmente no quê elas implicam), assim como a diferença entre Anarquismo Revolucionário e Anarquismo Filosófico (um defende o fim do Estado e o outro o fim do Governo).
É... eu sei que é difícil, especialmente num país onde as pessoas não têm o costume nem de ler o que compartilham, mas estamos falando de CIÊNCIA aqui, não de doutrinação ideológica, como se faz nas escolas e universidades.
E é justamente isso, a CIÊNCIA, a chave para salvar o país de se tornar uma ditadura de bandidos.
É o que faz a população se amadurecer politicamente, o que a faz ser REALMENTE politizada ao invés de doutrinada ideologicamente usando as mesmas técnicas que se usam nas seitas e religiões há milênios.
Não existem políticos "salvadores da pátria" além da própria população dessa pátria, engajados em defende-la em nome da sociedade.
ISSO é que é cidadania! Isso é que é patriotismo!
Sabe quem pode salvar o país? VOCÊ!
Sugiro estudar os tópicos e os links deste texto e do texto da parte 1.
No próximo texto, começamos a explorar como reconstruir o que "desconstruíram". Já adianto que o truque será aprender a identificar rapidamente cada vetor de subversão deles e como mitiga-los sistematicamente. Por isso, conhecer BEM esses conceitos todos é extremamente necessário.
O plano para "salvar o Brasil" pode ser definido com um símples decálogo conforme segue:

1 - Ficar em cima dos que dizem nos representar e cobrar deles o serviço pelo qual são (muitíssimo) bem pagos para fazer.

2 - Deixar de tolerar promessas não cumpridas e aprender a desconfiar de cada palavra de propaganda e de discurso - "Propaganda enganosa é pleonasmo!".

3 - Tirar do poder quem não representa nossos interesses como cidadãos.

4 - Impedir que criminosos e incompetentes cheguem ao poder.

5 - Condenar friamente e exemplarmente (de acordo com a lei) os corruptos em todos os níveis da sociedade e se a lei fôr falha nesse sentido, trabalhar para que seja corrigida.

6 - Reverter décadas de subversão cultural e de valores sociais.

7 - Desconfiar de movimentos que se apresentam como "humanitários" e fiscalizar o tipo de valores que eles pregam. Denuncia-los se necessário.

8 - Fiscalizar o material curricular que é ensinado nas escolas quanto a tentativas de doutrinação ideológica. Denunciar se necessário.

9 - Desmascarar militantes e partidos promotores de doutrinas populistas ou marxistas e aprender a identificar seus métodos e sofismas que eles usam para tentar persuadir as pessoas a acreditarem no que são doutrinados e então simplesmente ignora-los, já que seus objetivos são de pura "desconstrução", ou seja... não apresentam nada de construtivo. (Países que já sofreram com esse tipo de doutrina e conseguiram a duras penas se livrar delas, proibíram em sua legislação, símbolos marxistas, socialistas, nazistas, ou "comunistas".)

10 - (O mais importante) deixar o vício de tentar fazer tudo isso só no mundo virtual. (Lembre-se de que se hoje nosso país está ruim - repito - isso é o preço que estamos pagando por nos omitir como sociedade, de seguir esses ítens há pelo menos 30 anos e termos sido condicionados a isso durante todo esse tempo.)

Que fique claro, que é impossível reverter décadas de omissão da noite para o dia e muito provavelmente a nossa geração não verá um país melhor.
Mas se todo brasileiro começar AGORA a seguir esse decálogo, certamente veremos resultados enquanto vivos para podermos incentivar as futuras gerações a segui-lo.

2 comentários:

Pedro Prado disse...

Picolo, suas análises sempre mostram um elevado cuidado. Contudo percebi que o tempo que você se refere é um tanto estreito, de algumas décadas atrás.
Você chegou a avaliar os cenários e posturas antes e depois da segunda guerra mundial? Houve muita diferença na tratativa e interesse internacional daqui nesta época em diante. Éramos um país que tendia para a cultura européia e coisas importantes aconteceram.

Claudio H. Picolo disse...

Grande Pedrão!
Como sempre, suas observações são muito inteligentes e consequentemente sempre muito bem-vindas!

Nessa série de textos, de fato, resolví "fechar" no contexto mais atual possível, ou eu teria de começar a fazer as observações sobre Teoria da Subversão desde os tempos do "Sun Tsu", passando pelo Adam Weiss... e o texto ficaria ainda mais longo e maçante, especialmente para aquele público acostumado a ficar entediado de ler 140 caracteres... É difícil equilibrar esses textos para todo mundo.
A idéia é desmascarar e neutralizar os vetores de subversão cultural e ativar nos leitores, atenção sobre isso, independente de quem tente usar esses vetores com o intuito de enfraquece-los para explora-los.
As riquezas naturais do Brasil (vide a parte 4 dessa série) sempre foram visadas desde seu descobrimento oficializado pela carta de Pero Vaz de Caminha e o brasileiro aparentemente é o único que (ao menos aparentemente) não reconhece essas riquezas como suas nem as valoriza como deveria (Complexo de Vira-lata).
Penso que precisamos investir em mudar isso se quisermos voz ativa para defender o que é nosso ao invés de reféns dos que dizem nos representar.

Obrigado pelo comentário!