Translate

quarta-feira, 26 de março de 2014

Ando extremamente frustrado com os caminhos que este mundo está seguindo.
Ao mesmo tempo em que a Escola de Frankfurt foi incrivelmente engenhosa em desenvolver todo um sofisticado projeto de destruição do que chamaram de "valores ocidentais", foram incrivelmente imbecís em incluir valores humanos que entre outras coisas, garantiram a própria sobrevivência da espécie humana desde a pré-história (e que são comuns em praticamente todas as espécies animais conhecidas), sempre usando apelos psicologicamente emotivos e "politicamente corretos" invertendo valores básicos como justiça, verdade e reputação ao longo do tempo, lentamente e disfarçadamente, minando valores culturais e... bom, para não dizer que isso é de todo ruim, pelo menos isso está tirando o poder absolutista da religião romana. Talvez a única coisa boa nessa história toda.

Além disso, estou cada dia mais de saco cheio deste blog e cada dia mais triste de ter transformado meu blog pessoal numa espécie de guia de observações históricas e políticas contemporâneas, mas a bem da verdade, publicar coisas que a mídia mainstream não publica, é mais que uma necessidade, uma obrigação de qualquer blogueiro que queira expôr sua opinião pessoal de uma maneira mais didática e permanente do que numa porcaria de rede social qualquer. Então, sob esse ponto de vista, é um mal necessário justificável.
Os pontos expostos na postagem de hoje, você muito provavelmente não verá em nenhum outro lugar na Internet e são fruto de puro acúmulo de observações e experiências próprias efetuadas muito cautelosamente repetidas vezes ao longo dos anos.


Uma Guerra Silenciosa
"O fascismo é um filho do marxismo"
(Pe. Paulo Ricardo de Azevedo Júnior)


Alguém percebeu que apesar de vivermos uma época em que a população se divide basicamente em dois grupos radicalmente opostos, não temos NENHUM grupo radical terrorista como um IRA ou Hizbolah explodindo bombas nos grandes centros urbanos? (Felizmente!)
Isso acontece porque estamos vivendo uma época em que as tradicionais guerrilhas urbanas começam a sair das ruas e invadir os ambientes virtuais, num fenômeno sem precedentes na história humana. Uma faceta das guerras cibernéticas, antes confinadas às mídias tradicionais, agora ganham interatividade e com isso, os leitores antes passivos, hoje deixam de ser meros expectadores inocentes e passam a ser soldados inconscientes de guerras ideológicas em tópicos de redes sociais e num futuro não muito distante, será impossível negar sua opinião e o governo poderá usar suas exposições contra você.
Aliás, pelo andar da carruagem, é apenas uma questão de tempo para que isso aconteça, já que permitimos a cada novo dia, que o governo (que deveria ser no máximo, nosso mero representante) tenha mais e mais poder sobre nossas vidas pessoais ao invés de nós, como cidadãos, SERMOS o Estado efetivamente.
Podem xingar, me chamar de paranóico, ou o que inventarem de dizer sobre mim... Mas não esqueçam que muito do que eu disse neste blog de fato aconteceu. Especialmente quando eu dizia que estávamos todos sendo espionados, como aliás, ainda estamos e mais: estamos cada dia mais expostos. (Nós, que nascemos até meados dos anos 1990, fazemos parte das últimas gerações que conheceram o real significado da palavra "privacidade".)
Mas voltando às guerras ideológicas nas redes sociais, a grande maioria das pessoas não conseguiu ainda perceber o tamanho do terror psicológico a que estão submetidas diariamente, num ambiente onde grupos altamente especializados andam treinando pessoas para combate virtual, adaptando inclusive técnicas clássicas de estratégia de combate israelense (algumas antes confinadas apenas ao serviço secreto de Israel) para o mundo virtual, trocando a munição por bases de dados contendo respostas prontas à qualquer reação ideológica - e o pior: chamam isso de "democracia".
Podem reparar: se de repente numa rede social, aparecer alguém tentando invalidar a sua opinião apresentando um monte de argumentos extremos (cuidadosamente pré-selecionados para essa finalidade) e logo na sequência aparecer alguém comentando de você dizendo "fulano(a) falou um monte de merda..." (para provocar uma reação emocional imediata), ao invés de responder (ingenuamente pensando que tratam-se apenas de opiniões pessoais de dois participantes comuns das redes sociais) abandone o tópico e deixe-os falando sozinhos imediatamente!
O objetivo desses caras é tentar prolongar o diálogo o máximo possível, desmoralizando a opinião da pessoa publicamente em todas as suas colocações possíveis, fazendo-a de exemplo público e assim, num jogo de terror psicológico, cala através do medo de se manifestarem, os outros participantes do tópico que teriam quaisquer opiniões contrárias às apresentadas por esses assassinos ideológicos, conhecidos como "militantes virtuais".
Para efeito comparativo de como esse esquema funciona, o Serviço Secreto Israelense (para cercar e "neutralizar" um agente inimigo) costumava utilizar dois agentes armados com sub-metralhadoras Uzi (o equivalente virtual seria o tal banco de dados com respostas prontas, nem sempre válidas, mas consistentes com uma linha de pensamento que se deseja pregar publicamente como sendo "a única verdade") e um terceiro agente, um "motorista", que além de prover transporte aos agentes ao local da operação, se a operação falhasse, ele tinha instruções de bater em retirada para avisar e buscar reforços (no mundo virtual, esse cara direciona estrategicamente os "agentes" para tópicos que possam render resultados e se esses "agentes" começarem a falhar, ele chama mais desses assassinos ideológicos treinados para cumprir a missão).
E engana-se quem pensa que tratam-se apenas de fanáticos online. Esses caras muitas vezes são inclusive PAGOS para isso. E quem os paga? Grupos de partidos políticos com interesses em comum, oras! (Não pense que é só partido um não!)
Tudo o que eles querem é que você não se reúna com mais gente que observa as mesmas coisas e que juntos, possam juntar suas idéias e ORGANIZA-LAS numa força conjunta capaz de desmascara-los e neutraliza-los.
O pior é que isso, essa guerra ideológica é só UMA das muitas facetas desonestas do que chamamos de "democracia". (Inclua aí, os discursos de vários grupos ativistas que se apresentam como humanitários, culturais e até ambientais... mas isso eu deixo para o(a) leitor(a) bisbilhotar... por enquanto.)
Espero que este texto possa ter ajudado você, cidadã(o) consciente, a perceber o quanto suas idéias, observações e principalmente ações práticas individuais, podem ser importantes ou perigosas aos interesses de gente inescrupulosa, sedenta de poder.
Se querem uma dica, é... Pare de ser ingênuo(a)! A verdade e a honestidade são e sempre serão o melhor e mais poderoso escudo da reputação e da integridade. E sua mais poderosa arma é o poder dos fatos.
Lembre-se sempre: Toda propaganda é e sempre será enganosa.

Nenhum comentário: