Translate

sábado, 13 de agosto de 2011

O texto de hoje eu poderia ter incluído há anos na série "Relacionamentos" (parte 1, parte 2, parte 3, parte 4 e parte 5) que publiquei em 2007, mas como trata-se de um assunto à parte (apesar de envolver diretamente a forma como os relacionamentos podem começar e até se desenrolar no futuro), optei por deixar para depois e esquecí o assunto.
Porém, de repente me veio a inspiração e a vontade de escrever sobre isso novamente.
O texto abaixo, pode até parecer generalista, preconceitouso, arrogante, áspero, subversivo... enfim. Acreditem ou não, a intenção com isso é "acordar" as pessoas de seu transe e assim, meio que forçar as pessoas a perceberem como funcionam as técnicas de sedução e se policiarem melhor (e se cobrarem melhor também) quanto à sinceridade e honestidade em suas relações, pois só assim, com a confiança, se forma a lealdade e com isso, relacionamentos de verdade ao invés de casais injuriados.

Já cansei de ver homens e mulheres quebrando a cara em seus relacionamentos e todos reclamando exatamente da falta disso: lealdade, sinceridade, honestidade...
Cansei de virar ouvinte de pessoas que precisaram de um ombro amigo sempre que seus relacionamentos davam "aquela coisa que acontece", de ver amigas se tornando mães solteiras e rapazes sendo traídos.
Expôr publicamente de modo sintético todos os métodos de sedução mais comuns (tão comuns que em alguns casos a previsibilidade chega a ser patética), me pareceu uma forma de desabafo e ajuda pública bastante razoável.
É claro que os leitores podem (e devem) se informar melhor, mas se ninguém não apontar o caminho, como saber qual trilhar?

Acho que esse texto ficou legal, apesar dos pesares e desculpem a homens e mulheres por expor seus métodos dessa forma, mas já passou da hora de começarmos a pensar profundamente sobre o que nós estamos fazendo uns com os outros, ou seja, simplesmente pensar no óbvio: Se você engana seu(sua) parceiro(a), estará enganando a sí próprio(a).


A moderna arte da sedução (e como se defender dela)
"Lutar pelo amor é bom, mas alcançá-lo sem luta é melhor."
(William Shakespeare)


Antes de explorar o assunto de hoje, vamos deixar claro que as seguintes observações se aplicam apenas às relações heterossexuais e portanto, não se aplicam ao mundo das opções sexuais alternativas.
Os tipos apresentados são exemplos apenas para referência, apesar de corresponderem à imensa maioria da população. Portanto, também não se aplicam às pessoas que optam por desenvolverem sua cultura fora do senso comum (tipo alguns nerds).
Os métodos e observações resumidos aqui estão amplamente divulgados pela Internet em fóruns e em textos avulsos de domínio público bem como livros especializados e publicações científicas ou nem tanto (Warren Farrell, Eric Berne, Nessahan Alita, etc.), portanto quaisquer semelhanças com casos reais, são bem mais comuns do que o(a) leitor(a) pode imaginar.

Os métodos femininos - leitura obrigatória para os homens
Desde a nossa infância, somos induzidos a acreditar que as mulheres são seres frágeis, emotivos, sensíveis... Bom... não é bem assim.
Não vou dividir os tipos de mulheres em grupos diferentes aqui, porque isso se aplica a uns 99,99997% da população feminina, portanto, me desculpem. Essas revelações vão doer...
As mulheres vivem dizendo que os homens mentem mais que elas (de certa forma elas podem até ter razão, já que a imensa maioria dos homens são do primeiro tipo que eu vou descrever mais tarde), mas são elas que se pintam, maquiam, corrigem imperfeições, usam enchimentos, botox, silicone, saltos altos para empinar o bumbum, esticar as pernas e delinear a postura, usam unhas postiças, cílios postiços, biquinhos dos seios postiços... enfim, são a propaganda enganosa em carne, osso e acessórios.
E podem falar o que fôr, a verdade é que a natureza feminina é assim, dissimulada desta forma mesmo desde os tempos das cavernas, já que pela óbvia desvantagem física, elas desenvolveram isso como sua forma de se defenderem ou alcançarem segurança... na verdade, pondo os machos para as defenderem e dar-lhes segurança (para elas e para sua prole). E elas já estão fazendo isso pelo menos pelos últimos "dez mil anos" (ninguém sabe ao certo).
Junto a isso, elas refinaram suas técnicas de sedução de modo que elas passam o tempo todo buscando seduzir os homens através de seus pontos fracos emocionais óbvios como apetite sexual, ciúmes ou carência afetiva, só para citar alguns exemplos, e se possível, dominar a relação através desses pontos fracos.
E não pensem os homens que elas se importam com suas emoções não. O que elas querem mesmo (instintivamente) é ter um exército lambendo seus pés para mostrarem às suas amigas o quão "poderosas" elas são.
Mulheres são seres altamente competitivos entre sí e o maior símbolo de poder (instintivo) entre elas é o número de homens que têm à sua disposição para satisfaze-las ou defende-las. E quanto mais aparentemente poderosos esses homens forem, melhor.
Graças a esse comportamento, é muito comum (praticamente uma regra) as mulheres (principalmente as mais bonitas) se casarem com homens "bonzinhos", trabalhadores, "certinhos" e carentes que possam lhes servir de provedor e defensor (para ela e sua prole), para então traí-los com o "ricardão" mais cafajeste de seu "álbum de figurinhas" sem o menor remorso, escrúpulo ou sensação de culpa. (E por quê logo o cafajeste? Ora... pra quê se envolver com o cara se já tem um otário que lhe serve de provedor? Ela só quer é realizar suas fantasias sexuais, que nem sempre o otário do "provedor" consegue... porque está trabalhando, ou deprimido por não conseguir estar justamente onde ele mais queria: em casa com a esposa.)
É, rapazeada... sexo frágil? Conta outra!

Os métodos masculinos - leitura obrigatória para as mulheres
Vamos separar dois tipos de homem aqui. Não o "cafajeste" e o "certinho" como na maior parte da literatura à respeito do assunto, mas os que buscam "aventura ou namoro" e os que buscam "esposa ou nada". Geralmente esses dois tipos de homem são facilmente identificáveis por suas respectivas bagagens de experiências passadas (não pela idade, embora esta seja praticamente determinante no que colocamos aqui como "bagagens de experiências passadas").
O motivo disso é que os métodos dos dois tipos de homem são bastante distintos. (Eu poderia subdividi-los em 4 tipos, mas 2 fica mais fácil de entender.)

O primeiro tipo de homem (o que busca apenas aventura ou namoro), só busca o sexo propriamente dito. Fazem parte de uns... 99,99997% da população masculina e ainda não tem estrutura psicológica ou emocional para saber o que querem de fato de um relacionamento, ou ainda se quer algum. No máximo, tentam amenizar a imensa pressão social que o homem sofre desde a infância em afirmar sua masculinidade diante da sociedade, transando com o máximo de mulheres que puder, ou mantendo alguma por manter até que se decida o que fazer da vida. E se engravidar alguma delas nesse período, ele pode até acabar casando com a mulher, mas o relacionamento que começa dessa forma já está com seu tempo de vida contado e a mulher... bom... vira "mãe solteira". (A julgar pela quantidade de mães solteiras pelo mundo, você pode ter uma idéia da seriedade do que estou falando aqui.)
Esse tipo de homem costuma usar técnicas de "pick-up artists" (procurem no Google... há uma infinidade de fóruns, textos ou vídeos sobre o assunto, alguns "pick-up artists" até cronometram seu tempo de sedução até o primeiro beijo) como falar bastante, gesticular bastante, não tirar os olhos dos olhos da mulher, observar linguagem corporal e toca-la sempre nos mesmos pontos-chave quando notar que ela está sentindo essa ou aquela emoção para induzir uma sensação subliminar através de seu inconsciente (quem estudou técnicas de hipnose e programação neurolinguística sabe do que estou falando. Essa técnica chama-se "ancoragem") e o clássico método "tente beija-la no primeiro encontro, mas deixe para transar no segundo". Se puder deixar algo irresistível para ela se lembrar de você até lá (algo que com certeza ela goste e possa lhe causar alguma sensação inconsciente agradável, geralmente chocolates... esses são os mais eficientes), assim, o sexo é praticamente garantido no segundo encontro.
Gente, é sério! Por incrível que pareça, esses métodos apesar de absurdamente óbvios são praticamente infalíveis.
Algumas mulheres podem até perceber esses métodos, mas se deixam levar por eles apenas para terem mais uma experiência no seu ''álbum de figurinhas", geralmente para provocar ciúmes em algum outro homem, enquanto outras simplesmente se apaixonam logo após o primeiro encontro (principalmente as mulheres mais inexperientes) e após o segundo, a mulher já "está no papo" até... perceber o tamanho da arapuca em que se meteu, geralmente anos depois e invariavelmente tarde demais para consertar, a menos que o rapaz já esteja com outra "experiência" em vista antes do segundo encontro e troque sua "eleita" entre o primeiro encontro e após o sexo.
E acredite ou não, ele vai querer experimentar a outra "eleita" na primeira oportunidade que tiver.

o segundo tipo de homem, já passou dessa fase, já teve suas experiências e já cansou-se delas. Já aprendeu bastante sobre as artimanhas femininas, já sabe exatamente o tipo de mulher que busca e não se arriscará enquanto não encontrar alguma possível "candidata superior".
Um dos motivos aliás, que esse tipo raro de homem (e bota raro nisso), dificilmente frequenta lugares típicos de azaração, onde a oferta muito difícilmente corresponde ao que ele procura.
Ele sempre age com cautela, observa, testa, quer ter certeza absoluta de que não vai ser passado para trás ou cair nas malhas da sedução feminina se tornando um escravo emocional como o "provedor" ou o "ricardão". Na verdade, ele se esforça para ser meio que uma mistura dos dois, razão pela qual apesar de parecerem solitários, são muito disputados (quando elas conseguem identifica-los, o que nem sempre acontece).
Esse tipo de homem geralmente busca uma mulher de comportamento maduro e sério, uma que não sente necessidade de se comparar às outras mulheres, ou de buscar outros homens. Enfim, ele busca uma mulher com quem ele possa dividir sua vida, literalmente. Por isso ele não vai arriscar isso com qualquer uma.
São homens que têm absoluta consciência de seu valor e jamais se contentariam com sinceridade inferior a que eles estão dispostos a compartilhar.
Muitas vezes esse tipo de homem até usa um ou outro método semelhante ao do primeiro tipo que citamos aqui, mas tomando todos os cuidados possíveis para que ele possa ter certeza de que ela não está sendo "hipnotizada" pelos métdos clássicos de sedução e assim sendo, que ela está sendo ela mesma, ainda que isso lhe dê uma certa "desvantagem competitiva" em relação aos outros homens do primeiro tipo que usam e abusam dos métodos de sedução clássicos a ponto de parecerem idiotas quando observados em ação por um homem desse tipo.
Se a mulher deseja esse tipo de homem, a minha dica é: nem pense em tentar fingir uma situação ou esse tipo de homem a testará implacavelmente e a desmascarará na primeira tentativa de dominar a relação atacando um de seus supostos pontos fracos, que ele saberá dissimular muito bem até ter a certeza de que a mulher em observação tenha a certeza de ter o "domínio da relação" para ele então "escapar" como mágica, embora lamentando ter concluído que a mulher que ele desejava agía como as outras. (Que para ele, são uns 99,99997% da população feminina... É. Eu disse que eles são exigentes, não disse? Se algum deles já dedicou algum tempo em meramente "observa-la" com mais atenção, você pode se considerar realmente especial.)
Alguns até testam isso mais de uma vez, pois ele conhece bem as características típicas de desejo de domínio de relação por parte da mulher e não são afetados por ataques a seus supostos pontos fracos emocionais.
O único ponto fraco desses homens e a única chance que uma mulher tem de garantir para sí um homem desse tipo é contrariando sua própria natureza feminina (que é inconsciente), sendo sincera e honesta o tempo todo.
Pode não ser o "sonho feminino do domínio absoluto da relação" (para uns 99,99997% da população feminina isso pode parecer uma dedicação "impossível", quase "sacerdotal"), mas ele certamente a tratará como igual a ele, e com todo o respeito, mesmo que ele a guie por seus próprios caminhos. (Não. Ele não deseja o domínio completo da relação como as mulheres desejam. Mas adoram ser como "guias" e sonham em ter orgulho de terem a seu lado, uma mulher com esse grau de nobreza de caráter, portanto, minhas caras leitoras, não pensem que esse esforço não vale a pena.)
No entanto, são raríssimas as mulheres preparadas para abrirem mão do "sonho feminino do domínio absoluto da relação" (até porque como eu disse, é inconsciente), saberem se defender dos métodos clássicos de sedução masculina e ao mesmo tempo capazes de serem 100% sinceras como eles exigem.
Essa raridade, somada à "desvantagem competitiva" supra-citada, faz com que muitos desses raríssimos homens, um dia acabem desistindo de procurar e optem pela vida solitária.
Portanto, mulherada, se algum dia uma de vocês encontrar um desses, meu conselho é: não o deixe escapar ou outra mais preparada pode aparecer, ou ele pode desistir de procurar e aí... pode ser que você nunca mais encontre outro desses disponível. (Eu levei 40 anos para poder me classificar nessa segunda classe de homens e creio que só ví mais uns 4 como eu até hoje. Um está muito bem casado, dois desistiram e um ainda está no mercado. De vez em quando conversamos a respeito de nossas experiências e nossa tristeza em não encontrar o tipo de mulher que nós exigimos, mas infelizmente a vida é assim mesmo. Paciência.)

Como se defender
Para a mulher é muito fácil. Basta ficar atenta aos sinais de técnicas classicas de sedução já citadas aqui nesse texto... muita gesticulação, tentativa de beijo na boca no primeiro encontro, olhar fixo nos olhos, muita conversa ou gracinhas bobas já denunciam claramente os sedutores baratos comuns.
Simples e eficiente, não?
Mas quem diz que elas ligam se podem ter mais um otário no "álbum de figurinhas"?

Já o homem... Coitado... esse tá roubado já que não se desenvolveu para se defender das artimanhas femininas de sedução e ainda por cima gosta delas e assim caem fácil nas armadilhas das mulheres.
Bom... O que o homem pode fazer é se condicionar para ser mais forte que suas paixões e ter sempre em mente que a mulher, ao contrário do que tentaram incutir em sua mente desde sua infância, é um ser implacavelmente frio e isento de compaixão ou remorso.
Não se deixe levar pelas aparências, especialmente pelo forte apelo sexual que o corpo feminino oferece naturalmente: mulheres são especialistas em usa-lo como método primário de ataque ao ponto mais fraco do homem: o cérebro.
Se elas puderem oferecer muito sem entregar nada, estejam certos de que elas o farão sem a menor piedade.
Se você se deixar levar por suas emoções, elas farão de você um escravo, o explorarão até a última gota de sangue e sentirão um imenso prazer nisso ao mostrar às outras mulheres que o tem como seu "cachorrinho". Isso para elas é um prazer maior que qualquer orgasmo.
Aprenda com o segundo tipo de homem citado nesse texto. Aliás, procure definir o mais cedo possível o tipo de mulher que você deseja realmente em sua vida e pelo amor de tudo quanto é sagrado: Parem de parecer babacas desesperados por mulher ou elas continuarão nessa "zona de conforto" só curtindo com a sua cara, otários!


Eu sei que você provavelmente detestou esse texto e pode até achar que estou de brincadeira aqui, mas se a carapuça serviu e você ficou muito puto(a) da vida com o que eu escreví, poste um comentário aqui embaixo, clicando na palavra "comentários".
Eu vou ler, mas não garanto que vou publicar, valeu?

9 comentários:

Anônimo disse...

Picolo,

Todo homem tem problemas com mulheres. Com o tempo a gente aprende a lidar com elas. Uns aprendem com 18 anos..outros com 40!
Mas nem por isso devemos odia-las. Lembre-se pois que vc tem mae! ne? Ou vc surgiu de alguma outra forma desconhecida por nos humanos?
Enfim,
Se vc continuar assim, vai acabar sozinho e com cirrose de tanto beber vinho jovem de sabor estranho.

Take care!

Dagnone disse...

Excelente texto, meu amigo! É de se lamentar, contudo, que aqui se cultue tanto a imagem da "mulher objeto" e do "pau mandado" (lembra da "musiquinha" do cachorrinho da (insuportável e devidamente ostracizada) Quéli KY?

O pior é que existe uma parcela considerável da população feminina que segue religiosamente os mandamentos da "revista" NOVA: "seja uma piranha na cama: teu macho nunca mais vai te largar", "sucesso na profissão, homens no chão", "super sexo: as 378 posições que vão te levar às nuvens", "garanta o seu homem sendo independente: eles ADORAM"... nunca há nenhuma referência a cativar homens pela inteligência, pela sensibilidade ou honestidade, só apelação para o lado "vadia" pra conseguir macho, como se homens decentes se importassem com isso. E olha que já li muitas dessas revistas nas minhas longas caminhadas pelas esteiras da academia, hein? (por absoluta falta de opção: era ler isso ou ler "Veja"; preferi a "NOVA", que tem mais credibilidade - por paradoxal que possa parecer!): o conteúdo NUNCA MUDA! É impressionante como revista feminina parece andar em círculos, caindo sempre na mesma eterna problemática da mulher "moderna": "por que ele não ligou no dia seguinte"?

Por outro lado, o homem também não fica atrás em termos de ser otário: dá uma olhada naquelas
"revistas" estilo "Men's Health" e semelhantes: é tudo: "sexo em dois minutos", "os sinais infalíveis de que ela está louca pra dar pra você", "consiga sexo anal no primeiro encontro", "não ligue no dia seguinte e faça-a cair de quatro por você"... tudo isso entremeado a propagandas de carros de alto padrão, relógios que custam uma fortuna e chamadas para resorts em Floripa (apenas para executivos bem-sucedidos), o que reforça ainda mais a impressão de que as "melhores mulheres" (seja lá o que isso signifique) estão reservadas apenas para os melhores machos, os mais seletivamente preparados pelo determinismo darwiniano pra levar adiante os comportamentos mais estapafúrdios que se possam imaginar...

Enquanto essa guerrinha imbecil entre os sexos continuar ocorrer, impelida pelas midiazinhas sórdidas especialistas em enraizar no inconsciente coletivo campanhas de orientação emocional subliminar, vai ser difícil eliminar essas ações que acanalham homens e mulheres um perante o outro, reduzindo-os a animais que se disputam de modo irracional, diferentes dos seus antepassados do tempo das cavernas apenas pelas roupinhas de grife e pelos batons de R$300,00.

É isso aí, Claudião! É uma pena que não tenhamos textos seus com maior freqüência! Abraços!

Anônimo disse...

Bom depois que voce quebra a cara com alguns caras que só querem diversao, voce aprende o que nao deve ser levado a sério e depois acaba descontando em um cara legal que quer algo sério.Acho que 21 é a idade onde o homem nao sabe o que quer de um relacionamento, só vai saber depois dos 25, 26...

Anônimo disse...

Nossa! Picolo, você é um amigo muito querido e sensível. Sempre o admirei muito e entendo o que vc quis dizer com esse texto.
Porém, você não acha que ficar rotulando, classificando homens e mulheres em categorias padronizadas e firmadas pelo senso comum possa ser uma forma muito reducionista de enxergar o ser humano? Isso não seria negar a maravilhosa diversidade e multiplicidade humana?
Todos somos tão únicos e diferentes. Agimos e pensamos de maneiras tão distintas... Apesar dos "padrões"...
Procurar se enquadrar nesses padrões (e sei que muitos o fazem) é tão pobre e triste. Não acho que pessoas assim sejam as interessantes ou as especiais.
Enfim, como mulher, não me identifiquei com nada do que disse sobre as mulheres. Nem acho que a maioria dos homens que eu conheço se enquadrem nas suas descrições. Eu acho que jamais quis seduzir alguém que não fosse eu mesma. E penso, também, que estamos sempre mudando, passando por transformações, crescendo. Acho isso extremamente positivo.
Sobre relações amorosas, pelo menos para mim, elas simplesmente aconteceram, muito naturalmente... Do nada. Um belo dia, você se apaixona por alguém, que às vezes não era nada daquilo que vc esperava, e vc simplesmente não sabe o que o fez se apaixonar. Há um componente (muitas vezes um detalhe, ou um conjunto deles) desconhecido, inexplicável e maravilhosamente encantador naquela pessoa, do qual não temos a menos consciência!
Acho que, na vida, devemos deixar as coisas simplesmente "rolarem". Muitas pessoas se apegam a um tipo que consideram ideal ou dão muito valor à aparência física e, no meio desse processo, deixam pessoas especiais escaparem... Sem se darem nem ao menos conta de que elas passaram; sem enxergá-las.
Acho que devemos sentir mais e racionalizar menos. De repente, quando menos esperamos, mas quando estamos abertos (é preciso estar aberto), somos "atropelados" por alguém especial, por quem nunca imaginaríamos nos apaixonar. E se tivermos "sorte", pode ser que seja recíproco. Muitas vezes é!
Eu penso que devemos simplesmente viver... Deixar rolar, acontecer. As coisas geralmente acontecem quando não temos expactativas sobre elas.
Enfim, são apenas reflexões minhas, que tenho no presente. No futuro, não sei, felizmente.
Um abraço,
Sophia.

eikinkloster disse...

Me atrapalhei na hora de me autenticar, então se o comentário não foi, fica aqui um link para ele:
http://eikinkloster.wordpress.com/2011/08/13/sobre-a-moderna-arte-da-seducao-e-como-se-defender-dela/

Bruno disse...

Picolo, de fato existem pessoas que agem de acordo com as várias classificações que você criou. Entretanto, acho que você resumiu a humanidade inteira (cerca de 7 bilhões de pessoas) em 3 classes. É, pelo que entendi, uma classe para as mulheres - ou seja, todas elas - e duas classes para os homens.
Assim, embora muito do que você falou seja real, acho que generalizar nesse caso é um erro. As ações de homens e mulheres variam de acordo com cultura, crença, criação pelos familiares, e muitíssimos outros fatores que não convém citar - além de outros que nem conhecemos ainda. Tenho certeza que existem seres humanos que agem diferentemente do que você comentou no texto e, não preciso citar, por exemplo, mulheres que vivem nas estepes da Mongólia. Basta eu atravessar a rua e encontrarei pessoas diferentes.
Eu tenho uma teoria, porcamente baseada, que cada ser humano é único. Nascemos raciocinando e sentindo o mundo de modo individual. Como vivemos em sociedade, é normal tentarmos copiar padrões ditados. Assim, se o padrão no Brasil de 2011 é ser um fanqueiro pegador, ou uma fanqueira cachorra (atendo-me apenas a um padrão dos mais diversos existentes), é normal que tentemos chegar o mais perto possível desse mesmo padrão. O que varia, é o fato de cada um ter um problema - ou uma facilidade, porque não? - de se adequar. Afinal, como diz a minha teoria tosca, somos INDIVÍDUOS: alguns são mais reclusos, outros tem vergonha, uns tem deficiências de alguma natureza, mais outros que foram educados para pensar diferente, uns poucos que discordam, etc (haja et ceteras).
Resumindo esse meu argumento tosco, discordo plenamente que existam um tipo de mulher e dois tipos de homem no mundo inteiro. Procure que vc achará, confie em mim.

Tami disse...

Picolo, é muita falta de fundamento, psicologia e estudo de comportamento, hein!

Tami disse...

Picolo, é muita falta de fundamento, piscologia e estudo comportamental, hein! Tudo mto generalizado. =P

F.Szorki disse...

Picolo;

"Quem senta no fundo de um poço para admirar o céu, há de achar que ele é pequeno".

Sem mais;

Filipe Gracioli