Translate

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Obrigado leitores por fazer deste blog o que ele é hoje. Se você colocar "Claudio Picolo" no Google e clicar em "Estou com sorte", adivinha a página que você vai encontrar... o seu blog predileto! (E para a minha surpresa, se fizer o mesmo com o nome da minha última "ex", cairá em seu perfil no LinkedIn... eu mereço!)
Este é o meu primeiro texto que estou publicando através do meu netbook novo (um Acer AspireOne D250).
Apesar de já ter perdido a conta de quantos computadores eu já tive, este é o primeiro portátil que compro na loja.
Eu poderia ter comprado uma máquina muitíssimo mais poderosa, mas o fato é que eu já tenho uma workstation poderosa suficiente para editar meus vídeos, minhas imagens, meus áudios e efetuar processamento parrudo... Mas para escrever, era como "matar mosca à tiros de astronave de combate" de modo que eu sentia falta de mobilidade e tranquilidade para escrever. Espero, com este investimento, poder com isso ganhar um pouco de tempo e fazer minhas notas, pesquisas e apresentações de forma mais direta.
Mas este não é o objetivo do texto de hoje...
A inspiração deste texto, me veio após me deliciar com o extraordinário trabalho de fotografia e direção do filme "Herói", fiquei um bom tempo meditando sobre alguns valores de modo que resolví dissertar um pouco sobre isso.



Caráter: 5 palavras e 5 valores

"Entre os que não dizem nada, poucos são os que preferem ficar calados."
("Sorte do dia" - Orkut)


Numa sociedade alienada ao consumo, como a que vivemos, torna-se muito difícil as pessoas compreenderem os reais valores por trás de palavras como honra, respeito, humildade, serenidade e lealdade.
Essas cinco palavras correspondem aos cinco elementos que formam a dignidade do caráter de um indivíduo, o alicerce de seus princípios e consequentemente a orígem de sua personalidade.
Mas hoje, as pessoas simplesmente não têm mais tempo hábil para refletir sobre o significado das mesmas, especialmente quando suas mentes se ocupam com coisas inúteis cujos valores provém de lavagem cerebral coletiva imposta pelos meios de comunicação.
Aliás, quanto menos refletirem, mais poderosos os lobbies se tornam e consequentemente, mais lucrativas as mentiras dos mesmos se tornam.
Vamos fazer um pequeno exercício: Você vai eleger o rei de um país imaginário. E eu vou lhes apresentar quatro personalidades da História como candidatos a este reinado:

Candidato 1: Filho ilegítimo de um tabelião com uma camponesa, não tinha fama de se relacionar com mulheres, foi perseguido, processado e alvo de vários tipos de maledicência.

Candidato 2: Cresceu com educação não-religiosa porque o pai considerava os rituais religiosos. Aos 3 anos de idade tinha dificuldades com a fala e na juventude, foi solitário. Aluno lento para solucionar problemas, certa vez arremessou uma cadeira sobre sua professora.

Candidato 3: A mãe morreu quando ele tinha 9 anos. o Pai, um ano depois. Sofria de sérios problemas visuais. O irmão toda hora tinha problemas financeiros. Como gostava de música, chegou a compor, mas era considerado antiquado e sem criatividade.

Candidato 4: Rapaz inteligente, condecorado duas vezes por bravura em combate, muito devotado à mãe, estudou pintura e arquitetura, estudando artes em Viena e ganhou um bom dinheiro vendendo suas pinturas quando jovem.

E aí? Já escolheu? Não?
Leia de novo se tiver dúvidas... pode ser que você se arrependa! Lembre-se: um reinado é para a vida toda...
E então? Qual candidato você escolheria partindo apenas dessas informações sobre eles?
Pois bem... lembre-se que esse exercício é para partir do pressuposto de que APENAS essas informações chegaram até você através de amigos, jornais, televisão, cartazes, rádio... enfim, o que sua imaginação preferir.
OK... as eleições acabaram e... se você votou no candidato número quatro, parabéns! Você acabou de eleger Adolf Hitler! Os outros 3 candidatos são: Leonardo Da Vinci, Albert Einstein e Johann Sebastian Bach.
Esse exercício serve para demonstrar (de forma um tanto exagerada) como é fácil atribuir valores positivos às coisas ou indivíduos, falando apenas a verdade, mas omitindo seu lado negativo.
Influenciar uma decisão importante divulgando apenas o que é do interesse que se divulgue é uma técnica bastante conhecida.
Note que a forma como a mídia divulga os dados que serão mais tarde usados para influenciar a sua decisão e consequentemente a de seus amigos é feita de forma muito sutil, como por exemplo ocorre com a propaganda de produtos ou "costumes culturais" em rede nacional, através de uma técnica muito conhecida de lavagem cerebral chamada "repetição".
O canal de televisão mais influente do país, usa muito essa técnica por exemplo, apresentando uma reportagem completa sobre futebol no começo e no final de cada bloco de cada uma de seus telejornais, que são digamos... uns 7 por dia, cada um com uns 5 ou mais blocos, totalizando pelo menos umas 35 reportagens sobre futebol por dia, fora os comerciais de produtos relacionados ou patrocinadores que relacionam seus produtos ao mesmo (geralmente cerveja) e que devem aparecer umas 2 vezes pelo menos entre cada bloco, sem contar ainda os outdoors, anúncios de jornal e rádio e consequentemente, dos alienados já com suas mentes saturadas disso ( algumas vezes lamentavelmente sem espaço para outros assuntos).
Aí quando digo que detesto futebol eu acabo mais mal-falado que o Leonardo Da Vinci, mais cego que Johann Sebastian Bach ou mais solitário que o Albert Einstein.
Bom... se levarmos em consideração que esses três ilustres exemplos fizeram mais pela evolução da humanidade do que todos os jogadores de futebol de todos os tempos juntos, eu me atrevo a afirmar que a minha escolha pessoal de deixar assuntos inúteis como futebol de lado, não é assim tão má idéia, embora eu duvide que um dia eu venha a ser lembrado como esses gigantes da cultura humana.
Prefiro refletir sobre as cinco palavras do começo deste texto: honra, respeito, humildade, serenidade e lealdade; talvez pela minha formação fortemente influenciada por valores provenientes da Ásia, onde o Império Romano nunca conseguiu ter lá grande influência, mas observemos que esses valores são muito explorados em filmes de orígem ou temas asiáticos como "Herói", "Os Sete Samurais" ou mesmo os velhos filmes do Bruce Lee.
Seria demais explicar o real significado de cada uma dessas palavras num mero texto de um blog.
São valores que como eu já disse, formam o caráter e são os valores mais importantes da educação de qualquer indivíduo.
Valores para serem experimentados ao longo de toda a vida, não para serem meras palavras perdidas ao vento.