Translate

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Faz muito tempo que não escrevo neste blog.
Tive de fazer um tratamento conta a minha tendinite, correr atrás de um monte de coisas burocráticas... até programa de rádio eu gravei.
Enfim, desde fevereiro que não consigo me "sintonizar" para isso.
Pensei em escrever sobre mim, sobre minhas experiências... "n" coisas e... tinha de escrever sobre algo e não sabía o quê, até que hoje...



"O lado escuro da Terra"
"Eu dou aula para o que dizem ser a elite dos alunos brasileiros (...) meus alunos são semi-analfabetos."

(Walter Alves Neves, arqueólogo, biólogo e antropólogo)


Hoje eu me concentrei... Um bom banho após responder meus e-mails, uma garrafa de "Carta Vieja Classico", Cabernet Sauvignon safra de 2008, e o "Dark Side Of The Moon" prensagem importada de 1973 num toca-discos britânico de 1978, com uma cápsula Axxis Hiperelliptical IV-x, provavelmente uma das últimas cápsulas que vinham com agulhas decentes fabricadas pela LeSon, ainda com o elastômero milagrosamente em perfeitas condições.
Isso tudo me inspira a escrever sobre algo menos artificial do que eu escreveria em outras condições.
O vinho... uma bebida que é quase uma representação do sagrado de tão refinado que se tornou ao longo de milênios de aprimoramento de know-how; a música... referência absoluta entre audiófilos do mundo inteiro pela sua perfeição de conceito e técnica aliada à naturalidade de expressão, quase uma oração, reproduzida à partir de uma des melhores mídias de áudio já inventadas - uma das poucas que sobraram ainda capazes de conservar o som original em sua integridade, com senóides e harmônicas completas ao invés de "amostragens" segmentadas dos ásperos sistemas digitais; a velha cápsula, quase símbolo de sua era, com a delicadíssima agulha do precioso e trabalhado diamante deslizando pelas ondas do vinil... tudo numa noite fria e solitária.
Um desses poucos momentos de paz num mundo em guerra.
Guerra de interesses, guerra no trânsito, guerra política, guerra dos sexos, guerra... guerra... guerra...
Não há mais em quem confiar, não há mais o que se possa fazer para consertar o mundo que já vem torto desde a antiguidade, não há mais o que fazer além de esperar, tentando sobreviver como se pode.

Dinheiro... é o que move o mundo e o destrói.
Ecologia? Aquecimento global? Ha! Viraram oportunidades de negócio!
O "politicamente correto" é a maior máscara do marketing moderno!
Empresas brincam cos atuais problemas do clima como "bandeira"... puro marketing para tentar alavancar vendas já que seus concorrentes fazem o mesmo enquanto governos fazem o mesmo com propósitos meramente comerciais e eleitoreiros enquanto as religiões se aproveitam dos cataclismas conseqüentes do descaso para arrebanhar mais fiéis e conseqüentemente mais "contribuições" para sua "causa".
Já passou da hora da humanidade parar com essa mesquinharia e assumir sua culpa, mas isso não vai acontecer agora.
Há mais de 2000 anos que ela já se corrompeu e seus valores passaram a ser distorcidos, seja em nome das crenças que lhes são pregadas como verdades absolutas indiscutíveis, seja pelo interesse pelo poder, que vem do lucro, que vem da enganação do próximo.
Não há mais idéia ou produto que se compre em que se possa confiar em sua durabilidade, qualidade e eficiência.
Isso inclui métodos gerenciais, planos de governo, campanhas políticas, promoções, produtos ditos "high-end" ou "para um público diferenciado" (para não dizer, "rico", "burguês", ou "bem remunerado") ou mesmo um produto simples, comprado numa loja de produtos baratos.
A humanidade já não tem mais cura.
Embora uns poucos vejam isso como oportunidades devido a seus valores pessoais, o todo é impossível.
A epidemia já é global.
A cegueira e a ignorância aliada a mecanismos de "controle" pelos que estão no Poder (já comentados à exaustão neste blog) garantem que ela continue se alastrando.
E a cada dia que passa, torna-se mais difícil encontrar pessoas conscientes, capazes de pensar e refletir sobre assuntos diversos sem cair no "lugar comum" como futebol ou cerveja.
Eu por minha vez, procuro me divertir como posso.
Sei que minha vida um dia terminará e felizmente já alcancei a consciência de que meu avô falava quando eu era criança e que só agora consigo compreender: a de saber que não há mais o que eu possa fazer para mudar o mundo. No máximo, de ajudar na medida do humanamente razoável a quem precisa sem "dar o peixe", mas "ensinando a pescar".
Gente como eu sempre foi tida como "estranhos" ou "loucos" ao longo da História.
Lamentavelmente, a História provou que ao invés de loucos, eles eram os únicos indivíduos conscientes da humanidade.

Não há um lado escuro na Terra.
A verdade é que ela toda está na escuridão.

Nenhum comentário: