Translate

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Este texto marca a quebra da barreira das 30 visitas reais em um único dia no Picolo's Blog, obtido em 13 de fevereiro de 2007.
Para comemorar, estou deixando todos os textos de 2007 com uma nova formatação.
Aos leitores, muito obrigado pelo reconhecimento e indicações.



O preço do progresso


"Deus sempre perdoa. O Homem, às vezes. A Natureza, jamais."
(Paulo Cocsis, Fiscal do
IBAMA)


Certa vez, ví uma reportagem na TV, sobre as previsões dos cientistas sofre o efeito estufa e o aquecimento global e fiquei bastante preocupado.
Mas o mais assustador, é que não me refiro a uma notícia recente como pode parecer e que agora parece até moda nos meios de comunicação. Estou me referindo a uma reportagem que ví na TV por volta de 1978, ou seja, há quase 30 anos atrás.
Mas agora, apenas agora, depois de centenas de mortes, dezenas de enchentes, tufões, furacões, tsunamis e terremotos é que "parece" que a humanidade está finalmente percebendo o que os cientistas já estão alertando desde décadas atrás.
Pois é... E o que foi feito até agora? Hum... vejamos
Incontáveis palestras, trabalhos de escola, de faculdade, dezenas de congressos, várias convenções, alguns tratados... e a maioria dos sprays deixaram de ter clorofluorcarbono (CFC)... mas continuamos a poluir, desmatar florestas e queimar combustíveis fósseis, como carvão e petróleo... especialmente o petróleo, ou seja... o grande vilão do aquecimento global continua aí, rindo da nossa cara sob a forma do ronco dos motores de nossos carros.
Existem alternativas? Sim, existem. Mas há interesses muito poderosos para que elas não se popularizem, afinal de contas, quem vende petróleo não vai querer deixar de ganhar dinheiro. E olha que não estou falando só dos árabes não! Também falo dos EUA, que com seu "american way of life", são os responsáveis diretos por 1/3 da poluição do planeta e por 1/4 da emissão de monóxido de carbono da Terra, não assinaram o Protocolo de Quioto e agora dizem que vão reduzir sua emissão de monóxido de carbono (importando seus manufaturados da China).
Como ninguém no mundo capitalista quer ficar para trás, encher o rabo de dinheiro a qualquer custo, viver da forma mais "moderna" possível e empurrar o abacaxí para os netos é a ordem mundial por trás do capitalismo selvagem como conhecemos!
Note que não estou acusando só árabes e estadunidenses, mas todo o mundo capitalista, que mais do que problemas sociais, comprou briga com a Natureza, pondo em risco a própria existência da vida no planeta.
Até agora, os tsunami e "Katrina" da vida, foram fichinha perto do que está por vir. E não falta muito para que o gelo da Antártica comece a "descolar" da sua base de terra firme para que vocês entendam o que quero dizer.
O problema é muito mais grave do que se imagina. Quer fazer uma experiência simples?
Vá a uma lanchonete famosa e peça um bom lanche. Aí, separe o que você come do que você não come e compare o volume de material. Nem precisa dizer que o que você não come, é lixo e precisa ser reciclado. A boa notícia é que a maior parte desse lixo pode ser reciclado. A má... é que isso ou consome energia, ou exige o uso de materiais químicos e (voltando a lembrar) nem tudo pode ser reciclado.
Outra experiência? Tente descobrir para onde vai parar o lixo eletrônico, ou seja, os aparelhos eletrônicos usados (cada dia mais descartáveis, diga-se de passagem). É para onde vai parar o seu moderníssimo iPod, Palm, PocketPC, laptop, ou seu novíssimo pecezão que você ou comprou ou está pensando em comprar para rodar o Windows Vista o seu computador anterior não conseguía ou não consegue, ou consegue com desempenho ruim, mas que na prática, vai fazer exatamente a mesma coisa que você já faz com seu computador atual. É o preço do progresso...
Aliás, em nome do "progresso", da "novidade", do "moderno", faz-se sim, coisas boas, mas também se faz muito lixo.
Pessoalmente, penso que já é hora de pararmos um pouco o que estamos fazendo para pôr ordem na casa... ou seja, o nosso querido planetinha azul... o único que temos.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2007

Já comecei 2007 com um texto "bombástico" e que deu bastante no que falar.
Este ano, pretendo deixar este blog mais polêmico do que nunca e resolví dar títulos aos textos.
O formato tradicional, "limpo", sem fotos ou ilustrações no meio do blog continua.
Comentários, por favor, continuem me mandando por e-mail... Agora... o segundo texto do ano (que era para ter sido o primeiro, mas a indignação foi mais forte) e estreando o "novo Blogger":



Jedaísmo - Religião do futuro?

"Não existe emoção; Existe paz.
Não existe ignorância; Existe o conhecimento.
Não existe paixão; Existe serenidade.
Não existe a morte; Existe A Força."
(O Código Jedi)

Pode até parecer piada, mas é coisa séria!
Alguns sites clamam que é mentira, mas a religião existe e tem site aparentemente oficial (http://www.thejediismway.org/)
É claro que os "seguidores da Força" não são nem de longe guerreiros que andam por aí usando capas escuras e sabres de luz pendurados na cintura, nem têm poderes telepáticos capazes de mover objetos ou disparar raios de luz com os dedos das mãos ou mesmo induzir pensamentos como nos filmes de George Lucas.
Na verdade, traçar o perfil dos "cavaleiros jedi" do mundo real pode ser uma tarefa complicada, especialmente quando se trata de uma religião ainda muito nova e que tem poucos seguidores, mas está crescendo rapidamente, especialmente pelo fato de ter como principal apelo o fim dos "rótulos" atribuídos a Deus pregados pela infinidade de religiões existentes, cada uma tentando "vender" Deus à sua maneira (algumas literalmente) e quase todas afirmando que são a única e legítima religião que leva à "salvação"...
Na verdade, o jedaísmo mais parece uma reencarnação dos antigos paganismos sem vínculos com o passado e assim, livre das perseguições que quase as destruíram.
Aparentemente ainda não há um "formato" muito bem definido para a prática do jedaísmo. Há indícios de surgimento de grupos que assumem o formato de "sociedades secretas" baseadas no Código Jedi, assim como grupos que fazem questão de deixar claro que praticam jedaísmo.
Da mesma forma, também surgem os oportunistas (como sempre) tentando faturar com isso, vendendo "certificados" e aceitando donativos... e é aí que está o problema.
Muitos dos auto-entitulados "jedi' são entusiastas, fanáticos, aficcionados ou mesmo simplesmente fãs da série "Star Wars" ("Guerra Nas Estrelas") e é claro, adorariam ver pelo menos uma parte do que amam de paixão, se tornar uma realidade de seu cotidiano. Estes podem cair nessas "armadilhas" com uma certa facilidade. Mas felizmente, nem todos são assim.
(Uma amiga minha, webdesigner e co-fundadora dos fã-clubes "Conselho Jedi de São Paulo" e do "Conselho Jedi do Rio de Janeiro" certamente deve saber do que estou falando).
Há os que buscam com a "filosofia jedi" (chamemos assim), exatamente a paz interior e o equilíbrio que não encontram em outra religião, embora muitos dos princípios lembrem o taoísmo chinês (senso de equilíbrio) ou o budismo (senso de serenidade), por exemplo.
O fato é que (no caso destes últimos) podemos estar testemunhando o nascimento de uma nova corrente religiosa, aparentemente bastante racional e no mínimo curiosa.
Se a busca é pelo fim do caos no universo, o fim da ignorância, a harmonia e o equilíbrio das coisas, que esta nova religião seja bem-vinda.
Mas se fôr para ter mais um grupo de fanáticos religiosos no mundo, lamento profundamente. Já temos fanáticos demais, obrigado. Continuo ateu, agnóstico...
E que a Força esteja com vocês.