Translate

domingo, 30 de julho de 2006

Cara... eu realmente não sei sobre o que eu escrevo hoje.
Não sei se escrevo sobre a eterna mania que os centro-orientais têm de fazer guerra o tempo todo, e o fato de "hez-boh-alah" significar algo como "partido de Deus" (embora seja absolutamente impossível escrever uma palavra em árabe com alfabetos latinos); não sei se escrevo sobre as minhas observações diárias sobre a sociedade em que vivo, sobre as eternas crises que fazem do Brasil o eterno "país do futuro", até porque continua sendo uma colônia e tendo um povo que continua condicionado a agir como tal, sempre aceitando a primeira das únicas leis realmente vigentes por essas bandas: "Aos amigos do rei, tudo. Aos inimigos, a fôrca." (A outra lei é a "Lei de Murphy", mas essa é vigente em nível mundial).
Vejamos... já escrevi neste blog sobre religiões, sexo, governos secretos que controlam os governos que temos tendência a achar que são governos de verdade, sobre sociedades secretas, comportamento humano (cada dia mais parecido com o dos outros macacos), sobre ódio, amor (inclusive os perdidos... aliás escrevi muito mais do que devia sobre esse assunto, mas não resisto e vivo desabafando... especialmente quando me sinto saudade ou carência); já escrevi sobre história antiga, simbologia religiosa (talvez eu devesse escrever um pouco mais sobre isso... funcionou tão bem com o Dan Brown...); já devo ter escrito alguma coisa sobre OVNIs, ETs, bruxaria... sobre sexualidade, mentira...
Francamente, estou ficando sem assuntos que não sejam pessoais (no meu último texto até falei sobre as pedrinhas nos meus rins (ou rim, porque até agora o outro se recusou a aparecer nas radiografias, mesmo as feitas após efeito de laxante.)
Ao menos tem uma certa pessoa que pode ter notícias minhas através deste blog, embora eu já não tenha notícias dela há anos... e puxa! Como eu queria saber se esta pessoa está bem! Mas como promessa é dívida, ainda estou pagando.
Se querem saber como me sinto com relação a isso, bem... uma parte de mim custa a acreditar que nosso relacionamento acabou há anos, como se ainda houvesse alguma ligação que não foi quebrada e que poderia ser responsável por um verdadeiro milagre algum dia. Mas de fundacionista acabei me tornando ateu. E ateus não acreditam em milagres.
Alguém aí acredita em destino, karma, esse tipo de coisa? Nunca me dei bem com o significado dessas palavras.
Mas essa pessoa... Pois bem... quantas vezes eu disse a ela que ela pode muito mais do que imagina?

terça-feira, 18 de julho de 2006

Pedras... 3 no rim esquerdo e 1 que desceu para a minha bexiga quinta-feira passada.
Cara... isso dói. (Eu não imaginava que a minha "ex" pudesse me odiar tanto para me jogar uma praga dessas...)
A "pedrinha" que desceu tem 0,5cm de diâmetro... mas foi o suficiente para me fazer parar no hospital.
Para quem não sabe como é essa dor, é semelhante a ter os testículos espremidos e remexidos... só que essa dor vem de dentro, de onde não há o que fazer para tentar diminuir a dor.
Felizmente ela pára um tempo depois de o cálculo passar pelo uréter... um longo tempo.
O ruim mesmo é saber que ainda tenho mais 3 esperando para me surpreender onde quer que eu esteja.
Bom, por hora estou aqui tomando um chá de "quebra-pedra" com folhas de abacateiro e cabelo de milho enquanto espero pelos resultados de um exame... já que o meu urologista sádico nem tocou no assunto "litotripsia por ultra-som" (um moderno tratamento não-incisivo que transforma essas pedras em areia).
Sabe... já ouvi de tudo sobre tratamentos, chás, causas, conseqüências, etc.
O fato é que há gente que trabalha com essas coisas, como o meu urologista. Gente especializada que se dedica profissionalmente a isso. Mas infelizmente também podemos farejar os palpiteiros, e os oportunistas de toda espécie nessas horas.
É muito triste que as pessoas tenham de fazer desse tipo de coisa, apelar para a falsidade, para as segundas intenções...
O mundo seria um lugar melhor para se viver, se pudéssemos confiar uns nos outros, se não houvesse a busca pela exploração muitas vezes até por questão de sobrevivência.
É lamentável que tenhamos de enfrentar esse tipo de comportamento todos os dias e quanto mais tentamos fugir disso, mais tentam nos envolver nisso. É como areia movediça: quanto mais tentamos sair, mais afundamos.
Se por outro lado, ficar quietinho na areia movediça ajuda a afundar menos, por outro alguma coisa precisa ser feita para sair da areia.
Alguma vez você já sentiu vontade de não sair da cama ao acordar?
Acho que esse "desânimo matutino" não nos foi dado de presente pela Natureza à toa.
Talvez seja uma forma de nos avisar de algo, ou nos preparar para algo dia após dia, como um momento para dar atenção especial a alguma coisa. Talvez algo como "o que fazer" para sair da areia, ou coisa parecida.
Ou ainda nos avisar de que alguma coisa estamos fazendo de errado na vida para não querer sair da cama...
Talvez o "desânimo matutino" seja para nos mostrar o inferno que estamos fazendo da Terra, do mundo em que vivemos e para nos fazer sentir vergonha disso, nem que seja apenas por alguns momentos em que preferiríamos estar num sonho bom, do que tendo de dizer "sim mestre" ao nosso amo e senhor, o relógio.
Escravos é o que somos.
Sem perceber, é exatamente como agimos e como nos conformamos em ser.
Não precisamos de verdade ser hipócritas, mentirosos, atores, fingidos, etc. para verdermos mais ou melhor o nosso peixe para podermos comprar o pão nosso de cada dia.
Não precisamos de verdade passar por cima dos valores que nos são ensinados desde a infância, para satisfazer a sociedade à nossa volta.
Já cansei de fazer a minha parte e não mudar nada com isso. Cansei de ficar me mexendo na areia e não dá para ficar parado afundando.
Mas a parte realmente difícil é encontrar a solução sozinho. (Se houver solução.)

quarta-feira, 5 de julho de 2006

E eu que pensava que com o Brasil fora da copa, o assunto dos telejornais finalmente seria notícia...
Gente... as eleições estão chegando! Eu já escolhi o meu candidato à presidência e olha que a mídia praticamente nem falou nele este ano! Preferem falar apenas dos piores... justamente os já mais conhecidos, cheios de rabos presos com empresários, bandidos, latifundiários e capitães hereditários... enfim, os "amigos do rei" sempre são os que levam a fama... afinal, eles são indiretamente os donos dos sistemas de mídia de massa e ainda têm O NOSSO DINHEIRO para gastar em medidas claramente eleitoreiras como os bolsa-família da vida, que embora ajuda na sobrevida dos pra-lá-de-miseráveis (tenho de reconhecer esse lado), serve apenas para viciar os menos instruídos de que aquilo, é "o peixe", não "a vara de pescar".
Já viu aqueles shows em que se dá peixe para uma foca e ela faz o que o treinador quer? Mesma coisa.
Embora eu não simpatize com o partido do candidato que escolhi, não posso esquecer que no Brasil, não se pode votar em legendas, pois elas não dizem absolutamente nada. Partido no Brasil é individual, companheiros. Depende das circunstâncias, dos interesses, do momento...
Para isso, resolvi fazer uma "cartilhinha" para escolher bons candidatos para eleições, independente de partido. São regras simples que eu prometi a mim mesmo seguir desde a primeira vez em que participei de uma eleição, porque eu não queria me arrepender de nenhum dos meus votos, como nunca me arrependi.


Dez Regras para ser um eleitor que não se arrepende (por Claudio H. Picolo)

1 - Esqueça as pesquisas eleitorais divulgadas pela imprensa.
A imprensa é deles e os números também. QUALQUER número divulgado na mídia pode, deve, precisa ser verificado cuidadosamente e mais: desconfie de todos eles. Não acredite em absolutamente nada.
O mesmo vale para e-mails tendenciosos: já recebi e-mails com números maravilhosos referentes ao governo de um candidato e péssimos referentes a outro e também e-mails semelhantes "invertendo" os valores desses mesmos candidatos. Em outras palavras: ambos têm números lindos e números horríveis para mostrar. Verdadeiros, ou não.
Os únicos números em que você pode confiar com certeza, são os que você consegue em seu orçamento doméstico e acompanhando as variações de preços nas etiquetas dos produtos nos supermercados. Só.

2 - Não escolha candidato porque acha que ele vai ganhar.
Eleição não é loteria! E os candidatos não são todos iguais.
É bem verdade que estamos todos indignados, sempre tão certos de que após as eleições continuará tudo a mesma mer... e que nada irá mudar... mas cá entre nós: Copa do mundo é diferente?

3 - Não escolha um candidato ruim que esteja em segundo ou terceiro lugar nas pesquisas para tentar com isso "derrotar" um candidato possivelmente pior.
Eu já falei: esqueça as estatísticas! Onde está o seu poder de opinião?
Se seu candidato nem chegar ao segundo turno, então que se dane! Pelo menos você não se arrependerá depois, ô laranja!

4 - Se fôr votar nulo, vote conscientemente.
É preferível um voto nulo do que um voto em que você pode se arrepender depois. Além disso, o voto nulo É UM DIREITO!
Se para o sistema é um "erro da urna eletrônica", para a legislação é um voto válido.
Um número suficientemente grande de votos nulos pode inclusive anular uma eleição inteira e forçar uma outra eleição com OUTROS candidatos!

5 - Isso é importantíssimo: Se seu candidato não chegar no segundo turno, evite a todo custo entre os que sobraram.
Seja fiel à sua escolha, a menos que tenha um motivo muitíssimo sério para mudar de idéia. (Vide regra 4.)

6 - Procure escolher candidatos que não tenham medo de participar de debates e que apresentem propostas construtivas ao invés de paliativas, ou seja, medidas que não resolvem problemas e pior: os disfarça.
Propostas como criação de instituições ou programas em que o governo dá alguma coisa para o povo são exemplos de medidas paliativas, eleitoreiras, caras e o dinheiro sai do seu bolso.
Entre os exemplos de propostas construtivas, estão investimento pesado em educação, ciência e tecnologia, redução de impostos, aumento de fiscalização sobre o sistema legislativo e judiciário com punição realmente proporcional às já tradicionais falcatruas, sem direito a pizza.

7 - Não tenha medo nem vergonha, nem preguiça de escolher seus candidatos.
Veja debates, apresentações... observe os candidatos e veja o que eles pretendem. Procure ler nas entrelinhas... especule bastante.
Observe também quem os apóia, quem está ligado ou não a eles... podem ser os "verdadeiros" candidatos que você pode estar elegendo sem perceber... as "forças invisíveis", as mãos por trás dos fantoches.

8 - Cuidado com as opiniões dos outros.
Faça A SUA escolha. Você não tem obrigação alguma de fazer a mesma escolha das pessoas à sua volta. Dane-se o que eles pensam se você fez uma escolha que não "bate" com a deles. Use e abuse do seu direito de voto secreto e boa!

9 - Não deixe para escolher em cima da hora.
Na véspera das eleições, infelizmente OS ÚNICOS candidatos que aparecem são os que estão no topo das pesquisas. E geralmente você pode encontrar propostas muito boas entre os "lanterninhas". Não os subjulgue.

10 - Procure anotar os prós e os contras de seus candidatos antes e depois das eleições.
Aproveite que quase sempre eles são sempre os mesmos. Claro! São profissionais nisso e pensam que todo eleitor tem memória curta.
Pensam... Mas nem todo eleitor é assim. E sua única arma contra os maus candidatos é o seu voto. Use-a, mesmo não acreditando nela. Pelo menos não se arrependa de te-la usado de maneira inapropriada.
Se você errar... bom... acidentes com armas acontecem.

É bem verdade que com essas regras, eu elegí muito poucos candidatos e os poucos que elegí pouco puderam fazer, como formigas solitárias numa imensa colméia de vespas. Mas e daí? Nunca me arrependí de um único voto em toda a minha vida.
E os candidatos que se elegeram sem o meu voto... só fizeram sacanear seus eleitores vergonhosamente.

E aí? Você quer ser sacaneado(a) de novo?
Quando fôr votar, lembre-se de que o nariz de palhaço está na ponta dos seus dedos.

Outra coisa: Esteja à vontade para divulgar esta cartilhinha. É um favor que você faz a você e ao seu país.

Obrigado.