Translate

segunda-feira, 13 de março de 2006

Não importa quantas vitórias eu alcance se me sinto um fracasso.
Não importa se estou fazendo um curso avançado de UNIX/AIX/Solaris/Regatta/SAN/Shark no único laboratório de capacitação desse gênero na América Latina.
Não importa ter sido técnico autorizado Apple Computer ou representante da Strata, da Specular, da Adobe.
Não importa ter acompanhado toda a história da microinformática desde o seu nascimento com os primeiros microcomputadores pessoais, ter me tornado pioneiro em computação gráfica e produção de mídia digital.
Não importa se estou entre os 10 jogadores de io-iô mais conhecidos do Brasil (embora eu não jogue praticamente nada).
Não importa ter alguns conhecimentos de eletrônica e com eles conseguir a mágica de reviver alguns velhos aparelhos dados como "mortos".
Não importa se faço parte de uma minoria na Terra, que tem um teto para me abrigar, um armário para guardar minhas roupas, ou um carro (ainda que velho).
Não importa se estou vivo, se tenho saúde, ou com o quê eu me importo.
Quem se importa?
Amigos? Colegas? Minha mãe?
OK... há uma lacuna para preencher. Mas creio que já me mostrei bastante incompetente para preencher essa lacuna.
Embora eu insista em dizer que 2006 é um ano de mudanças, não espero preencher essa lacuna em 2006. Até porque não depende de mim.
Talvez um dia dependa de alguém muito especial que se importe... se existir.
Eu me importar?
Me importo sim. Com quem se importa comigo. E até com quem não se importa.
Mas não importa. Afinal, não sou importante.
Na verdade, não sou nada.
Afinal, quem se importa?
Deus?
Ora... milagres não acontecem.
Os religiosos que me perdoem, mas aquele que crê... morre escravo de sua crença.
Minhas crenças religiosas já se esgotaram em atrasos inestimáveis de vida.
Vida essa que provavelmente eu nunca mais terei... tarde demais.
E quem é que se importa?
Aquela? Aquela lá?
Ora... É bem provável que se importe apenas com si própria agora... enquanto o vinho (importado) envelhece... e ninguém se importa.
E agora? O que importa?

Nenhum comentário: