Translate

segunda-feira, 9 de janeiro de 2006

Amanhã é o meu aniversário... apenas mais um dia como qualquer outro para mim.
Mesmo com os "parabéns" dos amigos, talvez alguma "comemoração surpresa" por parte da minha mãe (que para mim nunca é surpresa alguma, mas o que vale é a intenção), ou com alguns presentes que provavelmente vou ganhar.
Lá no fundo, não sou muito de comemorar o meu aniversário. Talvez porque não há muito o que comemorar. Fico mais velho, mais chato, mais azedo e o pior de tudo, sentindo uma forte dor no coração por não ter no meu aniversário o abraço que mais eu queria ter.
Não precisa dizer que sinto falta das surpresas que a minha "ex" me preparava nessa época... ela era mestra nisso! Nem que em seu lugar fica um arrependimento muito grande, um enorme sentimento de culpa, uma vontade enorme de ser desintegrado do universo até o último átomo... e quem sabe um dia desses isso não acontece mesmo?
Deixo aqui uma confissão aos leitores: tudo o que eu faço hoje, faço nem sei por que.
Não tenho sonhos, não tenho motivação. Só o "vazio" de uma rotina diária sem sentido algum além da mera sobrevivência, de lembranças de sonhos que se foram, de planos e projetos frustrados, de desejos que não têm mais como se concretizarem.
Se tenho hoje algum reconhecimento por competência profissional, por outro lado, o meu lado emotivo está completamente destruído, arrasado, em ruínas.
Deixar meu orgulho de lado e confessar que ainda amo aquela garota talvez estrague seus sonhos, seus planos para o futuro... o que eu não quero. Até porque já é muito tarde para expôr isso.
Me conformar e buscar alguém que pudesse me ajudar a esquecer tudo isso seria uma saída, se isso fosse fácil.
Mulheres têm aos montes pelo mundo... pra todo gosto... loiras, morenas, ruivas, altas, magras... Difícil mesmo, é no meio de todas, encontrar "aquela"... a "única"...
Talvez eu até já tenha encontrado... e deixado ir.
Por isso, preciso derrotar o meu lado romântico... mata-lo de vez! Afinal, não há mais espaço na minha vida para "contos de fadas".
Cansei de ser traído pelos meus sonhos, pelas minhas esperanças, pelas minhas paixões, pelas minhas crenças, pelos dogmas que me foram impregnados desde criança.
Se por um lado eu "viajo" ao ouvir músicas como "Take it Back", do Pink Floyd, tenho de ter em mente que ao menos neste mundo, os sonhos não tendem a terminar em finais felizes, embora eu quisesse acreditar que sim.
Me alegra muito ver os sonhos das pessoas se realizarem... sobretudo das pessoas que merecem, como um grande amigo meu, que está para realizar um sonho e que não sei ainda se poderei estar por lá para poder ver isso de perto. Sei que não é nada fácil realizar um sonho.
Se eu pudesse escolher um presente de aniversário impossível, escolheria realizar um sonho de uma certa pessoa muito querida para mim. Uma pessoa que já não vejo a muito tempo. Para mim, certamente seria o maior presente: uma presença.
Poder ver o seu sorriso, ou o brilho em seus olhos, ou ganhar dessa pessoa um simples abraço, valeria ter vivido os meus 35 anos... que até hoje, valeram apenas uns 4.

Nenhum comentário: