Translate

sábado, 24 de dezembro de 2005

Eu costumo ser meio estúpido quando fico irritado...
Cheguei em casa, tomei um banho, falei com minha mãe ao telefone, e tentei quebrar umas castanhas-do-pará com um quebra-nozes... Já que o quebra-nozes não quebrava castanhas, o sangue subiu... lá fui eu pegar um "discreto" alicate de pressão que o meu avô deve ter comprado lá pela década de 50 e que me lembro que era capaz de amassar elos de correntes, entre outras coisas... enfim, quebrei as tais castanhas... Agora, mais relaxado, posso escrever um pouco neste que provavelmente será o último post de 2005.
Como todos os anos, tento terminar o ano sem dever nada pra ninguém, mas graças ao "sistema" isso é impossível... os planos para começar 2006 já começam com pagamento de contas... IPVA e Seguro Obrigatório: dinheiro jogado no lixo... aliás, usado contra mim mesmo, aplicado na instalação de radares e cemáforos com foto que só servem mesmo é para roubar mais dos meus esforços.
Se o dinheiro que os brasileiros gastam anualmente com IPVA e Seguro Obrigatório fossem gastos por exemplo na compra de tapetes, teríamos todos os acostamentos das estradas brasileiras cobertos de tapetes vermelhos em apenas um ano. (Note que não fiz os cálculos para afirmar isso... deixo esse desafio aos meus amigos matemáticos de plantão.)
2005 não foi o melhor ano da minha vida, nem mudei grande coisa na minha vida, o que me deixa naturalmente bastante frustrado.
Mas comecei as mudanças, o que já considero uma pequena vitória.
Com os cursos que comecei a fazer, voltei a freqüentar o seleto "circo" da alta-tecnologia. Eu uma das palestras que fui valeu ver a cara de surpresa de um sujeito que já não me via nessas palestras a pelo menos uns 8 anos... Ha-ha-ha!!! Parecia ter visto um fantasma!
Não tenho expectativas para 2006. Poucas são as certezas sobre coisas que estão por vir... Cansei de fazer planos para ve-los frustrados. Cansei de acreditar em milagres... enfim, cansei.
A idade está começando a pesar e a cada dia que passa, me sinto mais "Highlander", contando histórias, dando conselhos... É... estou ficando velho. É a única certeza que tenho.
Se eu juntar todas as grandes conquistas que consegui em 2005, chegarei à conclusão de que não conquistei praticamente nada pra mim. No máximo, ajudei algumas pessoas a conseguirem suas conquistas. Essas sim, alcançaram grandes feitos. Pelo menos uma, eu posso dizer que realmente mudou de vida... Vida aliás, que consegui salvar, embora isso tenha incluído experiências um tanto constrangedoras... felizmente é passado.
Alguns amigos continuam me dizendo que eu preciso de uma namorada e eu até acho que eles têm razão, mas não posso sair por aí "à caça" assim "de bobeira". Preciso ser exigente... aliás, mais exigente do que nunca, uma vez que com a idade, o perigo de essa próxima ser "a definitiva" aumenta consideravelmente. Mas confesso que as perspectivas nesse sentido não são nem um pouco animadoras.
Digamos que mulheres "do meu tipo" estão extremamente escassas no "mercado". (Quase 3 anos depois, ainda acho que mandei embora a última da espécie.) E sinceramente, não sou do tipo propenso a se meter em "aventuras"... Sempre me dei mal nessas coisas.
Além disso tem outros fatores: Estou numa fase de início de mudanças nos rumos da minha vida e não sei no que isso vai dar.
Tenho um pouco de medo de tudo ir para o buraco com uma simples bobeira da minha parte... e pior ainda: de arrastar alguém comigo para o buraco.
Tenho gradualmente mudado de visual, buscando um estilo que impôe mais respeito, tento abandonar o meu lado "moleque" com um certo pesar, mas as mudanças têm um preço... muito alto, aliás.
2005 para mim caracteriza-se por isso: pela primeira vez em muitos anos consigo sentir alguma pequena mudança. Nada radical como eu gostaria, mas firme... embora eu ainda não saiba no que isso vai dar, como já disse.
Ah! Eu odeio essa época... só existem incertezas!
É uma época falsa, recheada de beijos e abraços falsos, festas de aparência, filmes cheios de histórias bonitas que estão longe de corresponderem às realidades da vida...
Não existem contos de fadas, não existem finais felizes, não existem milagres.
Só existe mentira, frustrações, opressão... não adianta tapar o sol com uma peneira, nem tentar disfarçar o mundo sob máscaras como promessas de governantes ou palavras de algum líder religioso.
As verdades que ninguém tem coragem de falar nessa época, é que a vida é uma guerra constante para tentar sobreviver e as pessoas passarão toda a sua vida tentando te passar para trás o tempo todo... mentindo, enganando, arquitetando meios para tirar vantagem...
Passei a minha vida acreditando em finais felizes, em milagres, em Deus... essas coisas.
Em 2005, com quase toda a minha vida jogada no lixo, me toquei disso tudo e tudo isso acabou para mim. E as mudanças estão finalmente começando.
Tarde demais.

Nenhum comentário: