Translate

sábado, 25 de junho de 2005

Aí... Se você espera que eu perca o meu tempo escrevendo sobre Mensalão, CPI, corrupção no Governo, etc. só porque tá na mídia a ponta do iceberg que TODO BRASILEIRO sabe que existe e caga nas calças admitir principalmente porque TODO BRASILEIRO sabe que essas coisas sempre "acabam em pizza" até porque os responsáveis pela corrupção são os responsáveis diretos ou indiretos por TODO o sistema legislativo dessa colônia de exploração internacional que se finge de país e até assume com o pomposo slogan "Um País de Todos", vai tirando o seu cavalinho da chuva.
Prefiro falar de outras coisas hoje, até porque a mídia já está se ocupando desse assunto... Se você quiser ler sobre isso, vai visitar o site dos Terráqueos, do Universo Offline (a menos que você pague) ou do Bobo.com.
Hoje, eu resolvi mudar um pouco o "esquema" e falar decoisas absolutamente sem explicação na vida cotidiana... Pequenas coisas que a gente nunca pára para pensar a respeito, até porque não tem a mínima lógica perder tempo com isso, afinal... pra que gastar fosfato à toa? (Pra arrumar assunto para um blog, claro! Só um blogueiro nerd até a última hemácia para perder seu tempo escrevendo sobre isso.)
Alguém aí já reparou por exemplo que meninas bonitas só aparecem na rua quando você está dirigindo atrasado para o serviço? E a estranha propriedade desse tipo demomento de elas desaparecerem de seu campo de visão quase que instantaneamente? Já notou?
E quando tem duas meninas passeando na rua... uma delas linda de morrer que imediatamente chama a sua atenção e outra que mais parece o Godzilla, a bonita sempre acaba saindo do seu campo de visão misteriosamente?
Cara! É incrível como sempre aparece um poste, um orelhão, uma árvore, um arbusto, um ônibus, ou o que é pior: o Godzilla... sempre na frente, tampando a visão.
Eu não sei se as garotas têm esse tipo de sensação de vez em quando com relação aos rapazes, nem sei se é encanação minha, mas... Gente! É impressão minha ou o Universo parece conspirar para que eu não olhe para essas beldades na rua?
Olha... não me entendam mal... Não sou de mexer com as meninas na rua, nem de ficar reparando... aliás, tenho fama de discreto e gosto de ser assim. Mas é impossível negar que gosto de olhar para elas... É gostoso, alegra o momento... mas caramba! Lei de Murphy nisso também não, né?
E o pior é que estou tendo a péssima impressão de que os "Godzillas" estão se multiplicando nessa droga de metrópole de comportamento provinciano metido a besta... aliás, falando exotericamente, essa cidade é puro desequilíbrio harmônico e é esse o assunto do qual pretendo falar hoje.
Qualquer bom especialista sério em algumas daquelas medicinas tradicionais asiáticas, diria algo desse tipo, assim como povos que para nós, podem parecer primitivos, embora carreguem consigo um conhecimento ancestral muito além da nossa compreenção "urbanóide".
Certa vez, levaram uns pagés a São Paulo que ao se depararem com o rio Tietê, choraram, apontando para o rio e dizendo: "isso é morte".
Conversando com um amigo meu esses dias, ele me contou de um livro japonês de acabamento gráfico absolutamente impecável sobre água.
Disse-me ele, que viu fotos feitas com microscópio eletrônico, da água de várias amostras diferentes de água obtidas em vários lugares e em condições adversas e que uma comparação chamou muito a atenção dele: a mesma água, mas distribuída em recipientes separados... um deles submetido a música clássica tranqüila e outro a gravações de sons agressivos, como gente gritando, palavras chulas, acidentes, explosões, sons de armas, etc.
A amostra do primeiro recipiente apresentou as moléculas da água distribuídas harmonicamente, enquanto a amostra do segundo recipiente, uma ordem completamente desconexa.
Como a maior parte do nosso organismo é formada de água, é de se imaginar os efeitos disso.
Efeitos aliás, que têm sido estudados pelos povos asiáticos a milênios, mas que aqui no ocidente ainda é novidade... ou o que é pior: apresentados como mais uma "bandeira capitalista" para vender algum "aparelho polarizador" de algum tipo ou serviços e tratamentos de saúde "baseados no reequilíbrio energético"... blá-blá-blá...
Aos capitalistas: eu não brincaria com esse tipo de coisa assim. E mesmo que hajam provas científicas quanto a eficácia de certos aparelhos, desconhece-se os efeitos posteriores ou colaterais dos mesmos...
Tenho observado que os japoneses, são muito preocupados com a saúde. Tenho impressão de que bem mais do que a maioria dos outros povos asiáticos... talvez pelas altas taxas de mortalidade por câncer... sei lá. Mas são os que mais oferecem esse tipo de produto.
Um perfeito contraste com Índia e China central, que apelam muito mais para práticas medicinais extremamente antigas...
Sabe... penso que se às vezes você sente crises emocionais aparentemente sem motivo, talvez possa ser um dos efeitos do mundo desequilibrado à nossa volta.
Afinal de contas, a maior parte do cérebro é água. A que tipo de equilíbrio você tem submetido a sua água?

Nenhum comentário: