Translate

domingo, 22 de maio de 2005

Tudo bem que Campinas tem fama de cidade de gente fresca e tudo mais... (Mas não vamos generalizar... um dos meus melhores amigos é campineiro e assim como eu, detesta o comportamento "campinóide").
Mas se tem uma coisa que eu realmente posso chamar de frescura é a maldita mania de cortar o lanche no meio.
Com excessão das megafranquias de lanchonetes, TODAS as lanchonetes de Campinas, sem exceção cortam o lanche no meio. E isso inclui lanchonetes de shopping centers, padarias e até aqueles traillers adaptados.
Se o lanche é pequeno, prensado, ou preparado num pão consistente como baguete ou pão francês, ainda é razoavelmente compreensível, mas em pão de hambúrguer??? Assim o lanche esparrama todo na primeira tentativa de pôr condimento adicional! Será que ninguém percebe isso não?
Existe uma teoria de que essa mania surgiu com dois bares muito populares de Campinas que inventaram uma "moda" o que o povo daqui chama meigamente de "boquinha de anjo", que consiste em preparar um lache na baguete, prensá-lo, corta-lo ao meio longitudinalmente, dispor as partes lado a lado e cortar de novo em pedacinhos pequenos, fazendo o lanche parecer um monte de mini-lanchinhos teoricamente "espetáveis" com palito. (Mas nem tanto... experimenta pegar um pedaço de um lanche desses no palito!)
Resumindo: lanche em Campinas não se come com as duas mãos e sim com dois dedinhos. (Agora me diz que isso não é coisa de fresco! Na minha terra isso tem um nome: vi-a-da-gem.)
Como se não bastasse, basta pedir para não cortar o lanche, certo?
Errado. Eles cortam assim mesmo, na maioria dos casos e ainda deixam metade da alface para fora do lanche.
E tem mais: Procure pedir lanches que não precisam de mais do que uma "modificação". Para exemplificar o que estou falando, se você disser algo como "Vê aí um "Super-CheeseGodzila" sem corte e sem vinagrete aí!" das duas uma: ou eles cortam, ou põem a droga do vinagrete... e se bobear, mandam o Godzilla entregar o lanche. (Geralmente mandam.)
Bom... aquele meu amigo campineiro de que falei agora a pouco está igualmente indignado lá em Sta. Catarina... lá o pepino é outro... aliás, pepino é o problema.
Todo lanche de lá tem pepino e ele odeia pepino.
Ele pede para tirar o picles do lanche e... lá vem lanche com picles... (Ao menos sem o Godzilla, espero.)
Cara... Desse jeito as "McMegafranquias" internacionais de junk-food vão continuar crescendo... aliás, nunca precisei pedir para não cortar um "McSeiLáOquê".
Tudo bem que até me considero meio grosseiro em minhas refeições... até me sinto meio "viking" de vez em quando ao comer coxas de frango segurando-as com as mãos (e olha que isso é "chique" segundo livros de etiqueta), mas que em Campinas são poucos os lugares com bom atendimento em fast-food, isso é.
Outra coisa que me deixa indignado é por que o "padrão campinóide de preparo de lanche" é o chamado "boquinha de anjo" com tanto "Godzilla" na cidade... Cara... a impressão que eu tenho é que a mulherada daqui anda cada dia mais relaxada! Tá complicado!
Mas isso já é assunto para outro post.

Nenhum comentário: