Translate

sexta-feira, 13 de maio de 2005

Hoje é aniversário do chefe... Amanhã, aniversário da minha "ex".
Falar do chefe é puxa-saquismo... o que não faz nem um pouco o meu gênero.
Falar da minha "ex"... é inconveniente.
Vou falar então do meu novo celular...
Depois de 6 anos de uso, resolvi aposentar o meu velho LGC-330W e comprei de um amigo, um Nokia 3100 com 3 meses de uso.
Estou francamente surpreso com o quanto esses aparelhos acumularam de recursos nos últimos 6 anos.
Lembro-me de que quando comprei o meu primeiro aparelho, seu grande destaque era o tamanho diminuto do mesmo, perante os "tijorola" da época...
Eu não ía comprar um aparelho, mas acabei comprando para ter comunicação em caso de emergências... Sabe como é... filho único, levando a namorada para um distrito vizinho de carro no meio da madrugada... (Olha eu, falando da minha "ex"...)
No final das contas, me acostumei com a comodidade de ter um aparelho para me comunicar com alguém (meio que à moda "Star Trek"), sempre que precisava, ou tinha excesso de créditos para gastar.
Era gostoso atender o aparelho, quase sempre no mesmo horário, e ouvir a voz da... (olha eu de novo, falando da minha "ex"...) embora nem sempre o serviço fizesse o "enlace" ("link") da comunicação lá muito rápido, de forma que ficávamos falando "alô" um para o outro por um tempo...
Hoje a tecnologia mudou... o "link" é bem mais rápido, pode-se fazer downloads, navegar pela net... embora as tarifas para esse tipo de brincadeira sejam absolutamente proibitivas (além das sacanagens das operadoras paranos roubar descaradamente), o que me fez comprar um cabo USB para o meu novo aparelho, através do qual "descarrego" um monte de coisas que baixo na net para dentro dele sem precisar pagar pelo serviço que nem sempre funciona a contento.
É incrível como num display de míseros 128x128 pixels possam ser reproduzidos versões diminutas de jogos clássicos como Arkanoid, Boulder Dash, Prince Of Persia ou Vampire Killer (que o fabricante insiste em continuar chamando de "Castlevania", com o qual esse jogo ficou mais conhecido graças à sua popularidade nos Nintendinho de 8 bits, embora tenha sido lançado quase que simultaneamente para a plataforma MSX, onde surgiu o primeiro protótipo ainda com o nome "Vampire Killer", anunciado aliás, antes da versão Nintendo).
Claro que existem aparelhos muitíssimo mais sofisticados, como os Nokia N-Gage, capazes de emular arcades, tocar MPEG3, vídeo, rário FM, etc., etc.
Os celulares são vendidos como uma comodidade, mas em alguns casos, são um iconveniente e tanto... principalmente quando você está dirigindo e te ligam... fica aquele "tamagochi" fazendo barulho e você não pode atender porque está o trânsito, ou está no meio de um sono profundo conseguido a duras penas após dias de trabalho sem descanso e algum cliente maldito te liga à 7 da manhã (isso porque você foi dormir lá pelas 4:30...5:00...) Ou pior ainda... quando você está finalmente com a sua namorada (olha eu falando da "ex" de novo...) e o chefe (agora estou falando do chefe, só pra variar...) te liga num sábado para terminar algum serviço que não pode esperar até a segunda-feira.
Alguns serviços acho bastante dispensáveis num celular... coisas como chat... Há coisa mais inútil num celular do que chat?
Para chat, há vários sites na internet... embora não espere encontrar formas de vida inteligente neles... a menos que seja por puro acaso do destino, como foi comigo a 6 anos atrás, pouco antes de comprar o meu primeiro celular, para a minha ex poder me ligar, o meu chefe poder atrapalhar alguns finais de semana em que eu podia ficar com ela e as operadoras estorquirem o dinheiro dos finais de semana perdidos.
O chefe... ainda é o mesmo. A operadora mudou (e me sacaneia mais que a outra)... a namorada... Bom... pensando bem, acho que vou voltar ao mesmo chat em que nos conhecemos... quem sabe encontro alguma forma de vida inteligente por lá???

Nenhum comentário: