Translate

segunda-feira, 30 de maio de 2005

Dormir é gostoso... a gente se sente seguro(a), relaxado(a), protegido com sonhos de um mundo cada dia mais infernal, intolerante... intolerável...
O calor dos cobertores tranquiliza como o ventre materno e o travesseiro conforta nossas cabeças cheias de vontades, esperanças, aspirações, crenças, traumas...
O travesseiro é o nosso maior confessor... e o mais confiável, com certeza.
Já pensou se os travesseiros falassem? E se fossem fofoqueiros então? Já pensou?
Quantas lágrimas já apararam? Quantas cenas presenciaram? Quanta coisa teriam visto, ou até participado?
Até quando se fala dormindo, os travesseiros são testemunha.
Mas quem fala alto mesmo é a preguiça... numa época de friozinho gostoso então...
Ah! Como é bom ficar na cama, livre do mundo, livre do caos, da desordem, de perseguições, de burocracia, de barulho ,de stress...
Certamente a cama é o melhor remédio para tudo: quando se fica doente, não há quem não receite um bom repouso como parte do tratamento!
Não me admiro de a cama ser um símbolo... um "lugar ideal"... como um "ninho" para o encontro máximo do carinho dos casais... seja dormindo "de conchinha", abraçados, ou mesmo esgotando as energias para enfim, dormirem felizes.
Não há poltrona de cinema mais confortável e tranquilo que a cama de dormir... com um aparelho de TV por perto, claro... Um bom vídeo, uma pipoquinha... talvez falte companhia para alguns, mas quando não falta... no mínimo, é a melhor possível. (E não tem "lanterninha"!)
Se você tem um dia cansativo, busca sua cama.
Se precisa sair dela mais cedo para algum compromisso, sente falta dela.
Se não consegue segurar suas lágrimas por algum motivo, também a busca.
Para os desiludidos, frustrados e tristes, sair da cama não é uma tarefa fácil.
Do berço ao leito de morte, a cama certamente é nossa melhor companheira ao longo da vida.
Talvez um dia eu me deite para dormir... e nunca mais me levante.
Quem sabe o destino um dia me abençõe... e eu nunca mais acorde... de um sonho bom?

Nenhum comentário: