Translate

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2005

Uns me rotulam como "gênio", outros como "louco", e aparentemente, muitos me vêm como alguém que tem todas as respostas, ainda que eu responda simplesmente um "não sei".
E é justamente esse "não sei" que me assusta.
Muitas das coisas que me ensinaram desde criança e que acabaram por se tornar meus valores e princípios de vida, os quais tenho me dedicado desde então, se mostraram falsas (como já citei no passado aqui mesmo nesse blog). Sobretudo na religião e na política... que hoje, já sei que no fundo é a mesma coisa.
Com o passar dos anos, descobri que a religião sempre foi uma forma de controle e de imposição de idéias e valores ao bel-prazer de quem a cria.
Certamente de todas as armas da terra, a religião é a mais poderosa.
Fazer as pessoas crerem nas coisas sem questionar as transforma num poderoso exército pronto a agir muito mais por instinto e pela paixão do que pela razão, embora cada elemento desse "exército" tenha a mais profunda convicção de que sabe exatamente o que está fazendo.
Ter o conhecimento sobre essas coisas, tem despertado a atenção de uma certa sociedade secreta que de tempos em tempos tenta chamar a minha atenção, como que tentando me convidar a fazer parte dela, mas há um ponto fundamental que me impede, além de vários outros pontos que ferem os meus princípios de pensamento.
O ponto é que tudo o que tenho descoberto nos últimos anos, tem me feito questionar também se de fato existe um Deus onipotente e justo como o que me falam desde criança.
Até quero crer que exista, mas creio que certamente nem de longe se parece com o que me pregaram... justo, bondoso e sempre disposto a fazer seus filhos felizes... acho mais fácil acreditar numa força ora boa ora ruim, que tende a equilibrar as coisas do Universo, mas nem sempre muito justamente.
De que outra forma explicar as imensas diferenças sociais no mundo?
Para mim, é inaceitável que um Deus justo e caridoso permita com todo o seu poder, que enquanto alguns poucos possam ter silenciosamente todo o controle econômico e social sobre mais da metade do planeta, outras tantas pessoas no mundo morram de fome.
Mas isso é só uma parte...
O mundo de hoje, está um caos generalizado, em que os povos todos... legiões de alienados, se degladiam pela sobrevivência, absolutamente conformados com as condições impostas por seus governantes, julgando serem incapazes de mudar justamente essas condições. (OK! Confesso que não me considero muito diferente desses alienados, mesmo porque tenho consciência de sem opção ser mais um.)
Ora... não somos todos "filhos de Deus"? Porque as diferenças sociais precisam ser tão grandes?
Pior ainda: por que os "que mandam" têm o direito de fazer tudo o que querem e toda a legislação trabalhando apenas para eles? Ou lei é feita para justificar roubo, corrupção, privação de direitos de liberdades das mais diversas por parte apenas de uns poucos, como se fosse algo como "a palavra de Deus"?
E o pior, é que falam tanto em "democracia", como se fosse alguma palavra mágica... mas a verdadeira democracia é outra coisa.
Para mim, a democracia só existe quando existe total liberdade de pensamento, não alienação de massas, condicionamento por obrigação social, ou imposição pelas leis criadas por alguns apenas para proveito de si próprios, como acontece tanto no capitalismo quanto no socialismo.
É imperativo, senão emergencial que os pensadores (se é que sobraram alguns) se manifestem novamente no mundo e que apresentem novas idéias de regime social.
Costumo dizer que sou um anarquista "com os pés no chão"... e creio que a única forma de alcançar algo próximo desse regime anárquico utópico conhecido entre os acadêmicos como "anarquia", é através do profundo conhecimento pelos povos de seus direitos, e principalmente, das conseqüências de seus atos perante a sociedade, para que todos possam se respeitar e se valorizar como indivíduos ao invés de bonecos, para o desenvolvimento de um mundo realmente civilizado, ao invés de lutarem entre si como animais pela sobrevivência individual.

E aqui vai a minha contribuição para a famosa lista de citações conhecida como "Shit Happens":

"Milagres não acontecem com freqüência. Merda acontece.
E o que eu quero mesmo é um milagre... um muito especial."

Nenhum comentário: