Translate

quarta-feira, 16 de junho de 2004

Errata do último post: O Tanabata Matsuri se comemora no dia 7 de julho.
É uma bela história sobre Orihime e Kengyu, uma princesa e um príncipe condenados a viverem separados sob a forma de duas estrelas no céu.
Nessa época do ano, os orientais costumam pendurar pedidos em ramos de bambu que posteriormente são queimados para que estes cheguem até as estrelas.
Diz a lenda que Orihime e Kengyu concedem pedidos às pessoas na esperança de que sua maldição seja quebrada e eles possam se encontrar novamente um dia.
Curiosamente, as duas estrelas ficam de fato mais próximas nessa época do ano. Para nós, ocidentais, as duas estrelas que os japoneses chamam de Orihime e Kengyu são Vega e Altair.
Lendas à parte, a grande realidade é que a grande maioria de todos nós, seres humanos, vivemos sempre de esperanças e só.
Esperanças de uma vida melhor, de um mundo mais justo, de realizar sonhos, de ser abandonado pela tristeza e abraçado pela felicidade e pela alegria...
Mas a triste verdade, é que o mundo se tornou uma imensa guerra não declarada, de ser humano contra ser humano, sem que estes sequer saibam o que estão fazendo, absolutamente inconscientes das causas e das conseqüencias de seus atos.
Enquanto grandes massas lutam entre si no mais puro caos, manipuladas por poucos, todos desesperados em busca de vantagens, de consumo, de poder... de explorar o próximo de algum jeito, ainda que de modo ingênuo (de tão natural que isso se tornou), muito poucos de fato podem tirar proveito de todos os prazeres da Terra... infelizmente, sob as custas de muitos.
Enquanto um representante do poder inventa uma nova forma de acumular alguma riqueza, uma família perde o teto, uma criança deixa a escola para assaltar, roubar, matar... ou um idoso morre numa fila de algum posto de saúde... notícias comuns demais... nem aparecem mais nos jornais, onde mais aparecem as vidas sociais dos jogadores de futebol.
A espécie humana é a única na Terra que pensa ser racional.
É a única que pensa que pensa.
Aliás, pensar tem se tornado um privilégio para muito poucos.
O futuro pertence aos analfabetos funcionais, que sabem ler, escrever e até fazerem contas básicas de matemática, mas não serão capazes de compreenderem o significado de um problema.
Gerações desses indivíduos estão sendo formados hoje, e dominarão a Terra, como os dinossauros um dia dominaram.
Enquanto a ciência avança, a humanidade emburrece... em nome do individualismo.
Lamentável.

Nenhum comentário: