Translate

domingo, 23 de maio de 2004

Eu já escrevi sobre isso no meu blog. Mais precisamente no meu post do dia 16 de Maio. (Lá pelo finalzinho do post...)
E hoje, o assunto aparece na capa de uma das revistas mais respeitadas do país.
No mundo de hoje, a aparência é tudo. Não importa o que seja, tem de parecer bonito, ou está fadado a ser um fracasso.
Já vi muitos produtos excelentes que se tornaram um fracasso e produtos péssimos se tornarem padrão de mercado (tanto que disso nasceu o famoso "Primeiro Postulado de Picolo").
Não precisa muito para observar esse fenômeno, decorrente de um condicionamento que já vem de muito tempo na história humana...
Todos querem ser "amigos do rei", ou no mínimo, se parecer como tal. E o motivo é simples.
Se você for a alguma loja bem trajado (preferencialmente com roupas caras), será muito bem tratado.
Por outro lado, se você se apresentar com roupas velhas e sujas, dependendo do caso poderá até "convidado" a se retirar da loja.
Esse exemplo não se aplica apenas às compras, mas também nas empresas, nos bancos, nos locais de trabalho...
Mas o que é "parecer bonito" afinal? É parecer chique? Parecer rico? Sim, com certeza. Afinal, é o dinheiro que move o mundo! O poder capaz de destruir vidas de muitos pelo conforto de poucos... A religião dos mentirosos... enfim.
Meu pai me dizia: "Quem tem dinheiro, faz dinheiro." e não é apenas porque tem dinheiro para aplicar.
Quem tem dinheiro, tem vantagens, brindes, prêmios, "agrados"... viram "imortais" em instituições fundadas para fins diferentes de agradar o ego dos "amigos do rei", podem comprar os melhores serviços (incluindo os dos melhores advogados, se não a própria lei) e podem pensar em coisas realmente importantes como... como desfrutar melhor da vida ao invés de como sobreviver até o final do mês.
Acredito que parecer rico não é difícil. O difícil deve ser enfrentar as conseqüências disso, afinal, parecer rico pode ter desvantagens.
Como o rico tem uma coisa muito desejada (dinheiro), é também um alvo muito visado pelos criminosos. Daí, parecer rico é um risco grande por si só, principalmente num país pobre.
Mas como depender das aparências pode representar o sucesso ou o fracasso do indivíduo, corre-se o risco.
Eu nunca me preocupei muito com as roupas que eu uso. Geralmente são trajes simples... sou eu mesmo, não uma "máscara".
Talvez por isso mesmo a maior parte dos meus projetos de vida foram um fracasso... e eu já não tenha mais tanto entusiasmo de continuar remando contra a maré.
Meu carro é velho, mas é meu mesmo, não de alguma financiadora.
O lugar onde moro também é meu, embora a localização não seja lá grande coisa.
As roupas que eu uso também e foram todas pagas à vista. Aliás, antes da reforma do apartamento (que parou no meio), eu tinha um projeto de reformular e mudar o meu guarda-roupa justamente para tentar me promover melhor no nosso mundo "de aparências"...
Quem sabe numa dessa eu não conseguisse alguma oportunidade de emprego melhor e bem mais rentável? (Alguma empresa de consultoria em informática por exemplo...??? Quem sabe?)

Nenhum comentário: