Translate

domingo, 14 de março de 2004

Neste blog, eu sempre falo de coisas revoltantes, tristes, irritantes... Falo sobre as mentiras que contam para nós, sobre como somos explorados, como nossos pensamentos são "guiados"... Falo sobre a realidade do mundo que eu vejo, que eu observo e que afeta a todos nós.
Hoje, num momento de solidão, resolvi escrever sobre algo diferente.
Resolvi escrever sobre o nosso motivo de viver, de lutar, de reclamar... o motivo que nos faz ter esperanças, que nos faz sentir que se vive, ou mesmo escrever um blog com observações sobre coisas que acabam por nos privar de viver de fato, o que realmente importa, como os momentos com os filhos, filhas, amigos, amigas, enfim, com quem se ama.
O mundo de hoje, caótico como está, está privando com as circunstâncias que nos impõe, justamente de viver esses momentos, destruindo lares, relações, vidas.
É claro que estou falando do amor ao invés das coisas que nos têm privado de vive-lo. (Quem sabe agora, as pessoas possam entender os motivos pelos quais escrevo este blog?)
Sabe? O amor, o verdadeiro amor, não se escolhe... Até que me provem o contrário, ninguém escolhe nascer com esta ou com aquela mãe, ou sentir ou não dor no coração quando se perde uma pessoa amada, ou um ente querido, ou mesmo quando as circunstancias inviabilizam relacionamentos... enfim.
Assim como o amor, nosso destino também nos foge à escolha. Se assim fosse, eu queria ganhar sozinho na loteria, viajar o mundo inteiro e nunca mais ter de me desesperar para conseguir pagar minhas contas.
Todos nós um dia passamos por experiências destrutivas, como a paixão por exemplo.
Certa vez eu me apaixonei por uma garota de uma forma tão "destrutiva" que acabei por me tornar um problema em sua vida. Eu a desejava muito... mas não estava preparado para ela, que além de não me corresponder, ainda andou sendo vítima de intrigas... fortes mentiras a meu respeito, que acabaram por me fazer o homem "isolado" que sou hoje, ou seja... tenho muito poucos amigos (me refiro àqueles amigos que a gente sabe que pode contar sempre)... alguns são da opinião de que essa minha paixão foi o que destruiu o meu futuro... e com razão.
Levei seis anos para conseguir me envolver de novo com alguém, que conseguiu me mostrar que eu poderia amar de novo, mas novamente as circunstancias inviabilizaram tudo. Ela morava muito longe e eu não estava preparado para ela.
Cerca de um ano depois, tive uma namorada "revolucionária" na minha vida, que me mostrou que nunca se pode dizer nunca com relação a coisas que a gente sempre pensa que nunca vai fazer... Infelizmente, o namoro durou pouco e o seu destino seguia um caminho diferente do meu, que alguns meses depois, me levou a uma namorada maravilhosa, que apesar de sempre me criticar muito, me ajudou a aparar muitas das "arestas" do meu comportamento... Como as anteriores, amei-a muito... o melhor que pude por quatro anos. Digo o melhor que pude, porque no começo, eu ainda tinha dificuldades para entender como eu estaria amando de novo... As experiências acabaram me mostrando que se você quer amar alguém que te ama, o amor acontece, sem explicação compreensível nenhuma.
Mas novamente, não estávamos preparados para as circunstancias e acabamos por nos separar... decisão que me rende lágrimas até hoje...mas é o preço que mereço pagar para que ela possa ser feliz.
O amor nos faz fazer coisas estranhas... Ela não seria feliz comigo, embora nos amássemos muito. Eu me esforçava demais para conseguir agrada-la e isso a magoava, assim como o meu jeito de ser distraído... que a fazia se sentir como se eu nem existisse. Por isso ela resolveu seguir outro caminho.
Continuo torcendo para que ela consiga ser feliz. Ela merece, embora a essa altura, eu deva estar morto para ela. (Será melhor assim... meras lembranças do meu ser a traria lágrimas, como as dela ainda me trazem.)
Hoje, tenho um relacionamento no mínimo misterioso, para não dizer estranho nas madrugadas pela internet com uma mulher talentosíssima, incrivelmente inteligente e sensível que ainda sofre muito com um passado trágico que sinceramente, ela não merecia.
Essa mulher, sem que nunca tivéssemos nos visto pessoalmente, tem me ajudado muito... Se não fosse por ela, eu já teria desistido de acreditar na vida a muito tempo...
Mas isso é uma outra história, ainda por ser vivida... e o desenrolar dos fatos, só o destino conhece. Independente das nossas vontades e sentimentos.
O motivo pelo qual contei um pouco da minha história hoje, caro(a) leitor(a), é que se você acha que nunca mais poderá amar alguém... Nunca diga "nunca". A vida é para ser vivida. Jamais pense que tem o controle do seu destino, ou ele lhe trará circunstancias que lhe provarão o contrário.

Nenhum comentário: