Translate

domingo, 28 de março de 2004

E cá estou eu, usando um computador obsoleto para escrever...
Uma pena os sites de internet hoje estarem cada dia mais complexos e exigirem cada vez mais recursos supérfluos que nos obrigam a usar browsers constantemente atualizados. Do contrário, eu poderia estar usando velhos browsers sem problema algum.
Uma pena também os "web-designers" brasileiros acharem que só existe Windows e que só existe o Mico$oft Internaut Explöder como web browser...
Lembro-me perfeitamente que a uns 5 anos atrás, eu usava qualquer browser para acessar um certo site de chat, (onde conheci a minha "ex"... enfim...) e hoje, nesta mesma máquina, eu brigo para encontrar algum browser que consiga acessar todos os recursos daquele mesmo chat sem problemas.
Para piorar, não fizeram nenhum browser novo que funcione nessa máquina, uma vez que o sistema operacional (Mac OS "clássico") é considerado "morto".
Estou usando experimentalmente o sistema operacional BeOS e o browser NetPositive para postar este texto... Aliás, o BeOS é um dos sistemas operacionais mais perfeitos que já conheci, mas como "tudo o que é ruim vira padrão"... a Be foi comprada pela Palm e "morreu" também.
Bom, "morreu" em termos. Há movimentos sérios para recriar sistemas baseados no BeOS (www.beunited.org), dentre os quais o OpenBeOS (www.openbeos.org) se mostra um exemplo de desenvolvimento de sistema de código-aberto. (Desculpem, fãs de Linux, mas vocês têm muito o que aprender com esses caras quanto à organização e padronização.
Seja como for, os softwares de código aberto têm um detalhe que passa despercebido pelo usuário comum: privacidade.
Digam o que disserem - nenhum governo do mundo expôe seus dados mais sigilosos a sistemas operacionais que não sabem como funcionam. E os sistemas de código aberto podem ser preparados "sob encomenda", sem "spywares", ou "cavalos de Tróia" que já vêm de fábrica, como o "Alexia" ou um certo tocador de mídia digital, entre outras coisas que já estou avisando a vários anos.
Os grandes fabricantes de software, bem como os usuários, deveriam aproveitar o momento para avaliar outros sistemas.
Muitas soluções melhores, mais baratas e mais confiáveis podem se esconder por trás das opções dos nerds "escovadores de bits", que dificilmente têm problemas com vírus, crackers (hackers "do mal"), etc. justamente por saírem do "padrão".
Acho que usuários como eu, somos a maior "pedra no sapato" dos sabotadores de sistemas.

Nenhum comentário: